COMUNIQUE

Seja Bem vindo! Nossa meta é anunciar Boas Novas! Léo Lima
Precisamos decidir em como ser valiosos, em vez de pensar o quão valiosos somos. Filosofia chinesa

Aflições vindas das Mãos Soberana São bênçãos disfarçadas! (Adam Clarke)

quinta-feira, 31 de março de 2016

TUDO PELA PAZ



Orai pela paz em Jerusalém; prosperarão aqueles que te amam. Haja paz dentro de teus muros, e prosperidade dentro dos teus palácios. (Salmos 122.6,7).
Hoje, quero falar de paz! Não esta paz que se proclama aos quatro ventos. Silêncio, sossego, contemplação, não. Nada disso! Não somente esta paz que todos ambicionam a paz egoísta, a paz individual, a paz da alma! Não! Nada disso! Estamos vivendo dias angustiantes, em que temos muitos motivos para não estarmos satisfeitos com a maneira de procedimento dos líderes, com pequenas exceções. Cada um que ocupa uma função dada pelo povo, está em busca de melhorar sua vida pessoal, isto, em detrimento de um povo muito carente... Sabemos que a perfeição jamais existirá entre nós seres humanos falhos. Entretanto, como seria bom se a honestidade fosse uma virtude coletiva! Oh, isto é sonho? E se é, como é bom sonhar.
Vamos usar o texto não somente para uma cidade, mas para o país e para o mundo! O que é preciso fazer para se desfrutar de paz realmente? A primeira coisa que o texto diz é: ‘Orai pela paz em Jerusalém’. Este é o início de uma busca de paz para a nossa terra. Como o nosso país precisa que oremos por seus governantes, por todas as pessoas que estão com responsabilidade direta. A nossa responsabilidade é esta: pedir ao nosso Deus que transforme os corações; que as ambições sejam sadias e que o desejo de um país rico e saudável seja o anseio maior de cada um de seus habitantes.
O texto ainda destaca que se esta busca se tornar realidade logo haverá prosperidade para todos. Assim, mesmo que, você viva em um lugar onde tudo é paz, onde as coisas são compartilhadas com igualdade, onde não exista a corrupção, se você ainda não conhece a paz que vem de Deus, se ainda não experimentou o amor de Deus por você, de uma forma pessoal, no seu interior. Se isto ainda não aconteceu, a paz real estará bem distante do seu coração!
Se você deseja uma paz que nada nem ninguém tira de você, basta colocar-se nas mãos de Deus e deixar que Seu Espírito Santo faça morada em seu interior.
Léo Lima

quarta-feira, 30 de março de 2016

OBEDIÊNCIA FESTIVA



Porque é coisa agradável, que alguém, por causa da consciência para com Deus, sofra agravos, padecendo injustamente. Porque, que glória será essa, se, pecando, sois esbofeteados e sofreis? Mas se, fazendo bem, sois afligidos, e o sofreis, isso é agradável a Deus”. (I Pedro 2.19,20).
A preocupação é um sentimento que mora com o ser humano. Constantemente ele se aflige por ideias que ocupam sua mente e que podem tirar-lhe o sono. Muitas vezes, seu coração consternado, sente medo de enfrentar certos desafios. Prossegue então, no seu dia a dia sem capacidade de realizar atos decisivos que poderiam determinar um futuro melhor. Até mais feliz, o que resultaria em permanente gratidão!
São algumas as pessoas que vivem somente com propósito de obedecer a Deus, sentem-se aflitas por algumas preocupações; deixando assim que o pavor chegue muito perto de si. Até chegam a indagar após algumas indecisões: ‘O que virá depois?...’ Aos seus olhos é realmente impossível vencer as lutas, podendo tentar uma fuga daquele acontecimento, e sente a voz de Deus a falar em seu coração: ‘Você precisa fazer isto’ e esta voz prossegue através das palavras do apóstolo Pedro, ‘Porque isto é grato, que alguém suporte tristezas, sofrendo injustamente, por motivo de sua consciência para com Deus... Isto é grato a Deus’.
É preciso então, compreender que ser grato ao Senhor é quando suportamos as lutas e vencemos as dificuldades as quais, muitas vezes sofremos, mesmo que pareça injustamente. E quando a dor se apresenta aos nossos olhos, mas estamos obedientes a Deus, esse sofrimento resultará em alegrias no Senhor. É muito bom obedecer a Deus, em todas as circunstâncias!
Léo Lima

terça-feira, 29 de março de 2016

INTENÇÃO DO CORAÇÃO



Quando um governador dá atenção a mentiras, todos os seus auxiliares acabam se tornando maus. O pobre e aquele que o explora só têm uma coisa em comum: o Senhor Deus lhes deu olhos para verem. As autoridades que defendem o direito dos pobres governam por muito tempo”. (Provérbios 29.12-14).   
Dependemos de Deus que nos criou. Ele nos deu tudo que precisamos para um viver pleno. O dom da visão é uma dádiva divina. O enxergar é dado tanto aos ricos como àqueles que tem falta de muita coisa. O Senhor vê e julga os atos dos que oprimem as pessoas por pura ganância. É o que diz o texto inicial.
Já o texto a seguir pode deixar dúvidas. Entretanto, Deus não impediu de forma intencional que seu povo não cresse nele. Ele simplesmente confirmou a escolha feita por eles. ‘Deus cegou os olhos deles e fechou a mente deles, para que não vejam, e não entendam, e não se voltem para ele, e sejam curados por ele’. (João 12.40). Depois de uma vida de resistência e obstinação eles não puderam entender a mensagem divina.
O Senhor não vê como o ser humano. Ele não nos julga por aparência, mas pela fé e pelo caráter. Somente o Senhor pode julgar com perfeição, pois Ele vê o interior. A situação do texto foi quando da escolha do rei Davi: ‘Quando eles chegaram, Samuel viu Eliabe, um dos filhos de Jessé, e pensou: – Este homem que está aqui na presença de Deus, o Senhor, certamente é aquele que o Senhor escolheu. Mas o Senhor disse: – Não se impressione com a aparência nem com a altura deste homem. Eu o rejeitei porque não julgo como as pessoas julgam. Elas olham para a aparência, mas eu vejo o coração’. (I Samuel 16.6-7). O Senhor olha para as intenções do nosso coração.
Léo Lima

segunda-feira, 28 de março de 2016

FRUTOS DO AMOR



Quando um homem inteligente discute com um tolo, este somente ri, xinga e causa confusão. Os assassinos odeiam as pessoas direitas, mas os bons protegem a vida delas. O tolo mostra toda a sua raiva, mas quem é sensato se cala e a domina”. (Provérbios 29.9-11).
Dominar as emoções é uma atitude bastante difícil. Uma pessoa sensata consegue se calar mesmo diante de um grande conflito. Ontem comemoramos a vitória de Jesus sobre a morte. Morte que é a maior emoção que vivemos neste mundo quando estamos diante dela. E é diante dela que uma pessoa se cala.
As emoções muitas vezes são pesadas e parece um fardo impossível de levar. Jesus mostrou uma forma de resolver este estado de coisas quando disse: ‘Vinde a mim, todos os que estais cansados e sobrecarregados, e eu vos aliviarei’. (Mateus 11.28). Esta oferta é para todos os desafios que possamos ter sejam eles emocionais, materiais ou espirituais.
Quando Jesus retornou ao céu ele nos deixou a força que precisamos para viver com coragem e alegria e o apóstolo Paulo mostrou como: ‘Porque Deus não nos tem dado espírito de covardia, mas de poder, de amor e de moderação’. (II Timóteo 1.7).

A partir do momento que cremos no Senhor Jesus como SENHOR nosso, temos uma mudança de mente e o resultado é o seu Espírito em nós e passamos a dar frutos: ‘Mas o fruto do Espírito é: amor, alegria, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fidelidade, mansidão, domínio próprio. Contra estas coisas não há lei’. (Gálatas 5.22-23).
Léo Lima

domingo, 27 de março de 2016

SENHOR MEU E DEUS MEU!



Este é o dia que fez o Senhor, regozijemos e nos alegremos nele’. A alegria é o antônimo da dor. Muitas são as dores que sofremos no nosso dia a dia. Mas a dor da separação que resulta da morte só pode ser amenizada quando nos deparamos com as palavras de Jesus antes de deixar este mundo: ‘Na casa do meu Pai tem muitos cômodos, e eu vou preparar um lugar para vocês. Se não fosse assim, eu já lhes teria dito’. (João 14.2). Muitos crêem nesta promessa pois, para que ela se tornasse real, foi necessário que, tudo que aconteceu, após o calvário, se tornasse público. Sim, a ressurreição de Jesus foi justamente o que fez com que suas promessas tivessem mais crédito.
Desde que os seus amigos foram ao túmulo e souberam que Ele não estava mais lá, puderam constatar as palavras que Ele havia dito. Jesus, o Filho de Deus havia ressuscitado dos mortos! Ainda nos lembramos daquele discípulo chamado Tomé, que precisou vê-lo, passar-lhe as mãos sobre os sinais, e então exclamou: "Senhor meu, e Deus meu!" Esta expressão de pasmo, de reconhecimento, de respeito, de confissão da incredulidade, tornava-se maior na certeza de que Deus estava entre eles!
Ele vive! Cristo está vivo! É esta a alegria que nutrimos, e que de certa forma não nos deixa temer a morte física. Pois que, esta Jesus venceu, e com Ele somos mais do que vencedores! Muitos estão vivendo na espera que o seu lugar está garantido por Jesus, pois Ele foi para o Pai, e tem o lugar de todos os filhos de Deus reservado! Glória a DEUS – JESUS VIVE posso crer no amanhã.
Léo Lima