COMUNIQUE

Seja Bem vindo! Nossa meta é anunciar Boas Novas! Léo Lima
Precisamos decidir em como ser valiosos, em vez de pensar o quão valiosos somos. Filosofia chinesa

Aflições vindas das Mãos Soberana São bênçãos disfarçadas! (Adam Clarke)

quinta-feira, 31 de dezembro de 2009

Deixei de Conjugar


Hoje: 31/12/2009.

O dia termina e com ele o ano de 2009.

Como não fazer algo que nos leve a uma reflexão.

Para tanto passo a narrar uma das minhas poesias que escrevi nos idos anos de 197... e alguma coisa. Pense bem:


"Deixei de conjugar"


Último dia...
Genuflexo, pensativo
O homem permanece
Introspectivo,
Mescla de alegria
Que logo fenece...
Quando aos seus olhos
Aparece,
Em meio aos abrolhos,
O seu dia a dia, que anoitece.
Lentamente escurece...
O ano termina.
E ele se recrimina,
Se amofina,
Até desatina...
Descem as lágrimas
Que são como rimas
Da sua dor.
Do seu amargor.
Em dissabor
Somente
O ser descontente:
“Que hei feito deste ano?
Foram muitos os desenganos...”
“Quanto, meu Deus, deixei de fazer,
Do Teu ome engrandecer?
Quantas vezes Senhor, deixei-me levar
Pelo verbo Negar!
Pelo Verbo Divagar...
Sem conjugar
O verbo Perceber,
O verbo Conceder,
O verbo Compartilhar,
O verbo Retroceder,
O verbo AMAR!
Oh, Senhor! Perdoa esta criatura,
Que Te fez muitas juras,
Que mais Te procura
Quando sofre agruras!
“Que a partir deste alvorecer
Possa eu permanecer
Contigo somente ir vivendo,
De tudo me desprendendo...
E que a todo amanhecer
Possa eu agradecer
Sem muito a recriminar.
Sem muito a chorar.
Vendo-Te ao meu lado
Falando, ou mesmo calado.
Que eu compreenda,
À Tua vontade me renda.
Pois sei, terei como prenda
Um louro singular,
Imorredouro em Teu lar.
Seja o meu dia a dia
Deste ano que inicia
Neste dia que anuncia
Sempre um tesouro
Pela Tua companhia!...
Feliz 2010! Deus abençoe a sua vida!!!
Leo Lima

sábado, 19 de dezembro de 2009

Em férias... na PAZ!

Na PAZ...
Estou viajando em férias. Como é bom passar uns dias sem lembrar as "obrigações"... mas ao mesmo tempo vale lembrar que a rotina só é rotina por nos fazer falta...
Em um final de ano que as coisas se afiguram belas, o passear é um presente divino, especialmente quando se pensa que é uma época em que as lembranças se voltam de alguma forma para Deus.
Lembrar o nascimento do Filho único de Deus é uma forma de aproximação uns com os outros. É assim que se pensa a família. É assim que se pensa na confraternização mundial. É assim que se pensa na paz para todos, visto que que Jesus disse que deixaria a Sua PAZ para cada um que dela desejasse desfrutar. Eu desfruto dessa paz, e você?
Que a Paz do Senhor Jesus Cristo seja uma constante em sua vida.
Com meu amor,
Léo Lima

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

Enfim! FIM!!!

Bem. Fim de mais uma etapa na minha vida. Eu que já caminhei por mais de seis décadas. Que percorri os mais diversos caminhos. Estradas com flores, mas muito mais espinhos. Mas veja só, percebi que até os espinhos tinham perfume...

A caminhada pode ser florida/multicolorida/nublada/perfumada se a cada passo pudermos olhar e ver que só a condição de caminhar é que vai fazer com que eu possa agradecer os espinhos, as flores, as cores, os sabores, os perfumes.

Terminei o que deveria ter acontecido há muitas décadas passadas. Mas não acho ruim. Se tivesse acontecido em tempos idos não teria este retrato, não teria conhecido pessoas tão especiais como o grupo de jornalismo que concluiu o curso este mês...

Por este e outros tantos motivos é que todas as coisas valem a pena serem vividas e como escrevi na década de 1990 repito os mesmos versos que valem a pena serem pensados. ...Não Permitas...
Não Permitas
Não permitas que tua vida
Viva só e repartida.
Que tua chegada ou a partida
Façam destroços! E em pedaços
Ela se murche desfalecida!
Não mais permitas que o descaso
Que brandamente bate ao acaso
Fazendo uso em todo caso,
E te enriquece mesmo com atraso
Trazendo mágoas por teu marasmo!
Não! Não permitas que quando a rosa
Aquela flor tão preciosa
Ao ver de perto meiga, chorosa
Passes somente...
E seu perfume,
Não mais senti-lo,
Sobes ao cume
Buscando outro rumo!
E daquela flor, só restou o nada
Que comparado à vida é o tudo desejado!
Não te permitas que bruscamente
Sem que te lembres do mal somente
Veja forçado, aço forjado
Fazendo a vida ser ultrajada
Mostrando apenas as destoadas
Canções sem coro, desafinadas...
Não te permitas passar somente,
Como se passa só por acaso,
No faz de conta que já não sentes
As maravilhas de ser contente!
Não te permitas que só os males
Sejam razão para passares
Todos os dias sem alegria,
Todas as horas em nostalgia,
Toda uma vida só, arredia...
Não! Não te permitas que a dor,
Seja prenúncio de muito amor,
Ele é forte, mas o dissabor,
Vem por acaso rente c’a morte.
Ela dói muito, muito mais forte
Que do amor qualquer brusco corte!
Se por acaso, o acaso te visitar
Falando da vida e sua alegria
Corras depressa! Te contagia!
Não permitas que a felicidade passe
Sem a sentires, sem que te abrace.
Ela é muito mais que disfarce.
Ela é a brisa que te refaz,
É um nada que satisfaz!
Oh! Não permitas que ela Passe!!!
Não te permitas passar a Vida,
Passar apenas sem ter vivido!...
Léo Lima

sábado, 5 de dezembro de 2009

Começar de Novo


...Continuação

Começar... de NOVO?

Alguém narrou o acontecimento que segue e que recebi através de um e-mail, achei interessante para nós atentarmos para algumas dificuldades que se nos apresentam, o que ele contou é o seguinte: “Tempos atrás eu era vizinho de um médico cujo "hobby" era plantar árvores no enorme quintal de sua casa. Às vezes, observava da minha janela o seu esforço para plantar árvores e mais árvores, todos os dias. O que mais chamava a atenção, entretanto, era o fato de que ele jamais regava as mudas que plantava. Passei a notar, depois de algum tempo, que suas árvores estavam demorando muito para crescer. Certo dia, resolvi então aproximar-me do médico e perguntei se ele não tinha receio de que as árvores não crescessem, pois percebia que ele nunca as regava. Foi quando, com um ar orgulhoso, ele me descreveu sua fantástica teoria. Disse-me que, se regasse suas plantas, as raízes se acomodariam na superfície e ficariam sempre esperando pela água mais fácil, vinda de cima. Como ele não as regava, as árvores demorariam mais para crescer, mas suas raízes tenderiam a migrar para o fundo, em busca da água e das várias fontes nutrientes encontradas nas camadas mais inferiores do solo. Assim, segundo ele, as árvores teriam raízes profundas e seriam mais resistentes às intempéries, essa foi a única conversa que tive com aquele meu vizinho.” Ele ainda contou que: “muitos anos depois, quando voltei ao lugar vi um grande bosque no lugar das mudas e estava iniciando uma grande tempestade, ao que aquelas árvores somente balouçavam, e na cidade houve um grande estrago, muitas árvores foram arrancadas pelas suas raízes...” (Autor desconhecido).

Podemos entender que nem sempre os acontecimentos desastrosos em nossa vida são para mal, no mínimo crescemos buscando a presença de Deus e a sua orientação, quando não nos debruçamos sobre a Bíblia para sugar o que o nosso Deus e Pai tem de melhor para nos oferecer. Podemos ver que é necessário não termos as coisas de forma muito fácil, é preciso ir mais fundo para ficarmos fortalecidos.
Portanto, ter raízes fundamentadas no amor, na vontade e na Palavra de Deus proporciona a força e a determinação tão necessárias a um começar de novo. E mesmo que venham as decepções ou até a queda momentânea, é necessário reconhecer que diante das grandes dificuldades, se a pessoa está firmada em Deus, vai crescer e poderá glorificá-lo em um grande recomeço.

“Então disse o Senhor a Josué: Hoje começarei a engrandecer-te perante os olhos de todo o Israel, para que saibam que, assim como fui com Moisés, serei contigo.” (Josué 3.7). É justamente este, serei contigo, que nos motiva a prosseguir! Não haverá proveito se você reconhecer que é necessário começar de novo, mas não reagir, não tomar as atitudes necessárias para que isto ocorra. Se permanecer estática, continuará sem saber o que poderia ocorrer. É preciso determinação para reagir diante de novos propósitos que podem e devem ser feitos e, acima de tudo, mostrar toda vontade diante dos obstáculos que a vida nos aplica.

Conclui na próxima postagem...

Léo Lima

terça-feira, 1 de dezembro de 2009

Latidos da Alma

Latidos da Alma
Latidos...
Tidos...
Sentidos.
Com-sentidos.
Abrangidos.
Pretendidos.
Idos...
Envolvidos.
Dos...
Cães com dós, rés, mis e outras notas sonantes.
Dos mais expressivos tinidos.
Dos mais falantes sorrisos.
Dos mais amigos dos sons.
Bons...
Latidos da alma!
Dá alma.
Dadivar.
Amar!
Que palma!
Triunfo. Vitória!
Com calma, acalma.
É a glória que honra.
É o amor que celebra.
É a paz que contagia...
Vicia...
Êta vício bom.
Com som... Sonoro. Harmonioso. Melodioso!
Melodia do latido da alma

Que... Há calma!!!
Poesia inspirada no dia 18/11/2009, momentos antes da apresentação do TCC: "Latidos da Alma: videodocumentário sobre a importância do voluntariado no Projeto Cão-Cidadão em Araçatuba" no Centro Universitário Toledo. Ao grupo, sou grata. Aos professores, minha gratidão. À banca: Ms. Maria Inês, Ms. Marly, Ms. Melissa Moura, grande orientadora, meu carinho e gratidão.
A foto é da "Tatá" junto com sua mãe, Clarice, que por sinal é a minha mãe.


Léo Lima