COMUNIQUE

Seja Bem vindo! Nossa meta é anunciar Boas Novas! Léo Lima
Precisamos decidir em como ser valiosos, em vez de pensar o quão valiosos somos. Filosofia chinesa

Aflições vindas das Mãos Soberana São bênçãos disfarçadas! (Adam Clarke)

segunda-feira, 21 de agosto de 2017

VER O INVISÍVEL

Porque os seus olhos estão sobre os caminhos de cada um, e ele vê todos os seus passos”. (Jó 34.21).
Quando experimentamos fechar os olhos fazendo um teste para vermos como é não ter visão, ficamos com medo. Como é bom termos o sentido da visão funcionando normalmente.  Após esta experiência não existem palavras para exprimirmos o que constatamos sobre a importância que é podermos ver tudo que nos cerca! Podermos contemplar o que amamos e, mesmo o que não nos agrada, é de fato excitante! É maravilhoso poder apreciar o que está e o que acontece ao nosso redor.
Entretanto, a nossa visão está limitada àquilo que está diante dos nossos olhos. Contemplamos e imaginamos, geralmente, coisas que de alguma maneira já vimos. O texto, no entanto, nos mostra um Poder supremo que pode ver cada passo que damos. Os olhos de Deus estão sobre os caminhos do homem, e Ele vê todos os seus passos. Isto nos alegra e nos coloca numa situação de profunda reflexão.
Os olhos do Senhor estão vendo os nossos caminhos para nos guardar, orientar, dirigir, se assim permitirmos. Mas ainda para nos admoestar, corrigir e nos livrar de nossas vontades e tentações. E quantas vezes precisamos que Deus faça isso! Livrar-nos do mal que possa nos atacar. Ele vê todos os nossos passos. Ele cuida de nós.
Como seria bom se víssemos o invisível! Mas isto acontece somente com os olhos da fé. Deus quer que confiemos nossa vida inteiramente a Ele para que nossos passos possam ser guiados por Ele que nos ama muito. Deixe Deus guiar seus passos a partir de agora! Ouça o que Ele deseja lhe falar! Procure olhar para o Senhor e assim ver o invisível.

Léo Lima

domingo, 20 de agosto de 2017

COMUNHÃO

Como é bom e agradável que o povo de Deus viva unido como se eles fossem irmãos”! (Salmos 133.1).
Amor - Sentimento desejado por toda criatura humana. Poucos dizem que não se importam. Entretanto, para que uma pessoa sinta-se realizada ela precisa compartilhar este sentimento maravilhoso e vital para cada ser vivente. Tentar definir o amor é como tentar descrever a dor.
Quando ele é compartilhado produz um sentimento agradável, aprazível, doce e ainda assim ele não está definido. O amor existe quando dois corações participam de um mesmo ideal, desfrutam da mesma alegria.
O amor de que fala o texto é o amor fraternal. Ele é sentido por todos que tem as mesmas crenças, por quem espera no mesmo Deus. A sua excelência é de que é um amor que não mede esforços para agradar um ao outro, aquele amor onde não há intriga, muitas vezes se esquece de si mesmo em benefício do outro; o amor que busca a realização do seu próximo, que vibra com a vitória do irmão, que em tudo soa como hino de louvor e adoração a Deus. Ele semeia a paz ao seu redor!
Oh! Quão bom! Se o salmista sentiu isto, se o salmista se alegrou desta forma, como será o sentimento divino ante a união dos seus filhos? Cremos que o amor mútuo é o que Deus deseja que desfrutemos. O amor mútuo tem que ser compartilhado por, pelo menos, três pessoas: Eu, você e Deus. E como essa forma de compartilhar é boa! Eis a razão porque pode haver o amor mútuo: o amor trino. Não é meu não é teu, vem de Deus, o Pai, e para Ele deve retornar. Oh, quão bom e quão suave é que os irmãos vivam em união!
Que saibamos buscar, receber e dar este amor que Deus oferece em todo o tempo para os filhos seus. Você vive este amor junto aos seus parentes mais próximos? Junto aos seus colegas de escola? Junto aos amigos? Aos vizinhos? Junto ao seu próximo mais próximo? Se ainda não consegue, peça amor a Deus que Ele dá com liberalidade a todos que O buscam!

Léo Lima

sábado, 19 de agosto de 2017

PRÁTICA DO AMOR

O Senhor abre os olhos aos cegos; o Senhor levanta os abatidos; o Senhor ama os justos. O Senhor preserva os peregrinos; ampara o órfão e a viúva; mas transtorna o caminho dos ímpios”. (Salmos 146.8,9).
Todas as vezes que vemos pessoas mais necessitadas do que nós, por um pequeno momento sentimos compaixão e nos preocupamos e até fazemos uma caridade passageira. É que temos, por natureza, um espírito egoísta. Os nossos problemas afligem-nos de tal forma que estamos quase sempre dentro deles, vivendo-os ou mesmo sofrendo-os. Somente o que nos preocupa é que tem valor real.
 Precisamos estar atentos às palavras de Jesus e nos lembrarmos de quando Ele nos disse que os Dez Mandamentos se restringiam a dois e que devemos: Amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a nós mesmos...  Devemos fazer algo. Portanto, se nos olharmos interiormente veremos que estamos muito longe de vivermos esta realidade que Jesus para nós.
O salmista, ao mostrar a fraqueza do homem prova, acima de tudo, a fidelidade de Deus. Deus, o nosso Pai amoroso que: ‘abre os olhos aos cegos; levanta os abatidos; ama os justos. ampara o órfão e a viúva’ e promete que vai fazer em cada situação das nossas vidas o que necessitarmos e ele abre nossos olhos, se necessário for, os físicos, mas especialmente o espiritual.
No tempo do salmista havia três classes de pessoas que quase não tinham direitos civis quando lhes faltava a família: os peregrinos, os órfãos e as viúvas que somente a compaixão e o amor insondável de Deus é que se fizeram presentes nas vidas destes menos privilegiados.
Deus deseja que nos irmanemos na doação de amor a estas pessoas pouco privilegiadas. Ele espera que façamos a nossa parte: Amando o nosso próximo! 

Léo Lima

sexta-feira, 18 de agosto de 2017

ADORANDO

Exalta-te, Senhor, na tua força; então cantaremos e louvaremos o teu poder”. (Salmos 21.13).
Vemos nos noticiários os acontecimentos nas mais diversas regiões do mundo quando a força da natureza se faz presente mudando até a maneira de ser do homem. Vulcões, terremotos, inundações, tufões e tantos outros acontecimentos que se fazem notar e, temer. É possível perceber que as pessoas se irmanam e tentam defenderem-se destes fenômenos, mas, muitas vezes, o socorro é inútil.
Quando a natureza começa a mostrar que as coisas não estão bem o ser humano torna-se pequenino, ele se sente impotente diante de catástrofes provocadas pela natureza. O que podemos extrair de tudo isto é que o poder de Deus está acima de tudo que se possa imaginar. Deus mostra-se através do seu amor sem medida. Mostra-se através das coisas preciosas que se nos são oferecidas diariamente, mas nossas preocupações conosco e com nossos objetivos impedem-nos de ver a ação de Deus no cotidiano.
O poder de Deus é imensurável. Quando contemplamos as obras que Deus fez para nós, sentimos a extensão deste amor divino. Só então, podemos ver o mal que cometemos e isto através das reações da natureza. O ser humano, muitas vezes, chega e destrói muito do que está ao seu redor. Ele não se preocupa com as consequências que poderão advir disto. Somente quando sente que suas forças nada são ante a manifestação da natureza é que ele pode perceber o quanto sua ação foi nefasta, destruidora.
Exalta-te, Senhor, na tua força; então cantaremos e louvaremos o teu poder’. O salmista canta de forma alegre para Deus e pede a Ele que se exalte, que mostre a força que Ele possui. Logo o salmista diz que ele e o povo cantarão e louvarão o poder de Deus por tudo que se pode contemplar. A adoração ao Senhor deve ser uma prática constante na nossa vida.

Léo Lima

quinta-feira, 17 de agosto de 2017

TRANSFORMAÇÃO

Sejam os meus seguidores e aprendam de mim porque sou bondoso e tenho um coração humilde; e vocês encontrarão descanso”. (Mateus 11.29).
A violência se manifesta em todos os lugares! Ela se mostra em todos os matizes, em todas as situações e, principalmente, em muitos relacionamentos, isto se dá em nosso país e no mundo!
Violenta-se com a falta de assistência para com o próximo, com o egoísmo predominante, com o desamor. Jesus disse: ‘...e aprendei de mim, que sou manso...’ sossegado; dócil; de índole pacífica; é o que diz o dicionário sobre a palavra manso. Este conselho de Jesus há mais de dois mil anos continua real e muito próprio para os nossos dias. Quando Ele proferiu o sermão do monte diante da multidão disse: ‘Bem-aventurados os mansos, porque eles herdarão a terra’. Precisamos aprender com Jesus a sermos mansos, mais calmos, pois assim como ele afirmou, herdaremos a terra, e mais, ‘e encontrareis descanso para as vossas almas’.
É este o sentimento, o estado de espírito que todos ansiamos desfrutar nestes dias cheios de conflitos, amarguras, desencontros, cheios acima de tudo, de violência. É preciso olhar para o próximo e sentir que a nossa parte está sendo feita. Pensar em povos distantes que sofrem e interceder por estas pessoas é um pouco do que nós podemos e devemos fazer. Estender a mão àqueles que de nós se aproximam, oferecendo-lhes, quem sabe, um quase nada, que possuímos? Um sorriso basta, muitas vezes, um sorriso para aqueles que passam por nós para se sentirem felizes.
Precisamos, como cristãos, permitir que resida em nosso viver a mansidão que Jesus nos ensina, para termos paz e, que possamos oferecer desta paz. Este é o tempo de transformar sua vida em um viver manso. Jesus quer realizar este milagre, basta que você permita.

Léo Lima