COMUNIQUE

Seja Bem vindo! Nossa meta é anunciar Boas Novas! Léo Lima
Precisamos decidir em como ser valiosos, em vez de pensar o quão valiosos somos. Filosofia chinesa

Aflições vindas das Mãos Soberana São bênçãos disfarçadas! (Adam Clarke)

quarta-feira, 24 de abril de 2019

APRENDENDO


Aqueles que temem o Senhor aprenderão com ele o caminho que devem seguir. Eles sempre terão sucesso, e a Terra Prometida será dos seus filhos. O Senhor Deus é amigo daqueles que o temem e lhes ensina as condições da aliança que fez com eles”. (Salmo 25. 12-14).
Ter temor de Deus é aceitar o poder e a santidade de Deus. Quem teme a Deus quer agradá-lo. O respeito a Deus nos ajuda a viver de maneira correta, escolhendo fazer o que é certo. Temer a Deus, portanto é uma atitude sábia.
O salmista inicia seu pensamento nesta porção da Palavra que os que temem ao Senhor aprendem o caminho reto. Já Salomão finaliza seu livro de grandes questionamentos dizendo que sua conclusão é que o temor a Deus e a obediência aos mandamentos divinos são o motivo porque fomos criados. ‘De tudo o que foi dito, a conclusão é esta: tema a Deus e obedeça aos seus mandamentos porque foi para isso que fomos criados’. (Eclesiastes 12.13).
E o salmista orienta a quem deseja ter sabedoria, pois que para todas as situações na vida é preciso primeiro temer a Deus. Logo o Senhor dá compreensão a quem O busca. ‘Para ser sábio, é preciso primeiro temer a Deus, o Senhor. Ele dá compreensão aos que obedecem aos seus mandamentos. Que o Senhor seja louvado para sempre!’. (Salmo 111.10).
Léo Lima

terça-feira, 23 de abril de 2019

CONFIANÇA


E a paz de Deus, que está além da compreensão humana, guardará o coração e a mente de vocês, pois vocês estão unidos com Cristo Jesus”. (Filipenses 4.7).

Quando procuramos penetrar em nossos pensamentos podemos perceber que eles são limitados até a nós mesmos. Nossos sonhos se limitam ao que desejamos! Nos surpreendemos mesmo nos momentos mais fantasiosos que vivemos. Outras vezes questionamos por que não conseguimos compreender determinadas coisas, especialmente aquelas concernentes a Deus e sua eternidade!

A promessa é que ‘a paz de Deus, que está além da compreensão humana, guardará o coração e a mente de vocês,’ então, podemos constatar que se esta promessa que nos é feita, nos atingir, logo não haverá compreensão humana capaz de explicar o que vive todo salvo por Jesus Cristo. A paz que está além da compreensão humana é que guardará corações e mentes firmes no Senhor. Isto vai além de todo entendimento.

Eu vivo este sentimento gostoso e gostaria que você também pudesse sentir o mesmo. Para que a paz pudesse acontecer em minha vida, um dia eu permiti que Jesus entrasse em meu coração e Ele não mais saiu de lá. Jesus hoje reside em minha vida fazendo dela uma vida cheia de paz. Minha vida com Jesus não tem ansiedades e muito menos desespero. Às vezes sinto tristeza, mas é algo que passa, como o vento. Quase não dá para percebê-la. Logo, Jesus está reinando soberano! Como é bom viver com Jesus!

Você quer experimentar este sentimento único? Deixe Jesus entrar e fazer morada em sua vida! Ele vai proporcionar ‘E a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guardará o vosso coração e a vossa mente em Cristo Jesus’. Creia, Ele deseja estar com você também. Entregue sua vida a Jesus, confia nele e Ele tudo fará.
Léo Lima

segunda-feira, 22 de abril de 2019

SABEDORIA


Seja sábio, meu filho; então eu serei feliz e saberei dar uma boa resposta a quem me criticar. O homem sensato vê o perigo e se esconde, mas o insensato vai em frente e acaba mal”. (Provérbios 27.11-12).

Diz o dicionário que sensatez é ‘qualidade de sensato; bom senso, equilíbrio; ponderação ao tratar de assunto delicado ou difícil; prudência, precaução; atitude de quem é reservado, comedido; circunspecção e discrição’. Quem consegue agir de acordo com estas qualidades é uma pessoa sábia.

Para tanto o livro de provérbios mostra que não se deve afastar da sabedoria. ‘Filho, tenha sempre sabedoria e compreensão e nunca deixe que elas se afastem de você. Elas lhe darão vida, uma vida agradável e feliz. Você caminhará seguro e não tropeçará’. (Provérbios 3.21-23). Que estas palavras sejam gravadas em nosso ser.

As lutas chegam a cada momento e Tiago ensinou que devemos ser perseverantes e colocarmos a sabedoria como nosso lema. ‘Meus irmãos, sintam-se felizes quando passarem por todo tipo de aflições. Pois vocês sabem que, quando a sua fé vence essas provações, ela produz perseverança. Que essa perseverança seja perfeita a fim de que vocês sejam maduros e corretos, não falhando em nada’! (Tiago 1.2-4). Que consigamos refletir a cada manhã e agirmos com sabedoria a cada passo que dermos.
Léo Lima

domingo, 21 de abril de 2019

RESSUSCITOU


Hoje, no dia em que se recorda e comemora a ressurreição do Senhor Jesus, compartilho mais uma das mensagens que o meu pai (pr. Manoel R. Lima) escreveu. Para este dia em que os propósitos são renovados, vale lembrar o ápice do cristianismo, pois sem a ressurreição não seríamos cristãos. O meu desejo é que Deus fale ao seu coração e que sua vida seja repleta de paz e amor junto a Jesus o Senhor que VIVE. - Léo Lima
Lucas 24.13-35
A leitura do texto acima, nos apresenta o estado de desolação e desânimo em que caíram os discípulos de Cristo, desde a sua condenação e morte. Jesus já previra tal experiência quando lhes citou o trecho profético do Salmo que dizia: “...ferirei o pastor e as ovelhas se dispersarão...”
Podemos somente imaginar, ainda que vagamente, o que de tristeza, abatimento, perplexidade, indignação e dor, ia na alma daqueles homens e mulheres que durante dias e meses,  acompanharam o doce Mestre nas suas peregrinações, através das vilas e cidades, proclamando a vinda do reino de Deus, e realizando milagres e prodígios a vista de todo o povo.
Agora, a esperança de Israel, o Filho de Davi, aquele em quem os olhos de todos, por mais de uma vez, estiveram fitos, como a querer penetrar no mistério daquele olhar tão simples e meigo, era (para eles) como outro qualquer homem, um corpo inerte no túmulo de pedra que o nobre senador, José de Arimatéia, cedeu, pois que nem túmulo havia para Ele preparado. Quem pode avaliar tamanha perda, golpe mais cruel e repentino que aquele que eles sofreram?
Mas, oh! maravilha do poder de Deus! Enquanto os seus corações se confrangiam em dor e saudade, o Senhor Jesus, já participava com eles dos seus pensamentos cheios de lamentos e tristezas, para dissipar dos seus olhos aquela negra nuvem de temor e solidão.
Quando eles lastimavam a sua perda, eis que Ele, sereno e compassivo, caminhava ao lado deles, embora não o reconhecessem, por estarem os seus olhos voltados para a terra. Exorta-os; faz com que eles percorram com Ele os sagrados textos que dEle falavam para mostrar-lhes que era necessário que todas aquelas ocorrências se verificassem, para que fosse cumprido o que  dEle estava escrito. Mas quando lhe foi manifesta a identidade do companheiro de jornada, no partir do pão, eis que os seus olhos se iluminaram, e os seus corações davam saltos de alegria por verem que a Palavra não falhou, quando lhes falava que havia de ressuscitar ao terceiro dia... Saíram. Era mister voltar a Jerusalém para dar a boa nova aos outros companheiros que lá ficaram.
Tinham uma mensagem nova e grandiosa para transmitir e não podiam guardá-la só para si. Em Jerusalém, entretanto, um grupo dos discípulos já tinha conhecimento do importante acontecimento.
E testificavam: “Ressuscitou verdadeiramente o Senhor.” Esta frase apontou um novo marco na  experiência daqueles rudes discípulos, e seria daquela hora em diante, uma mensagem sempre nova e oportuna para os que estivessem sem esperança... Vejamos o que ela nos diz:
I - Era a prova da unção de Jesus
O nascimento do Salvador fora revestido de circunstâncias especiais, misteriosas, que a seu tempo, causou admiração e temor por parte da gente humilde, e inveja e ódio dos poderosos...
O testemunho do Pai, a Seu respeito foi presenciado apenas por algumas pessoas, dentre as quais, João Batista, Pedro, João e Tiago, no monte da transfiguração e um grupo de pessoas na ocasião em que alguns gregos quiseram vê-Lo.
É verdade que a fama dos seus milagres e prodígios já se tinha espalhado por muitos lugares, mas havia os que se recusavam a reconhecê-los como prova do Seu poder provindo de Deus, dizendo que Ele operava aquelas maravilhas pelo espírito de Belzebú...
A sua morte fora uma pregação muda e objetiva da realidade da sua personalidade divina, por todas as circunstâncias que a cercaram. Ao morrer, o centurião testificava dEle, dizendo: “Este verdadeiramente, era o Filho de Deus. Foi sepultado embaixo de enorme peso dos nossos pecados, porém se levantou de novo, todo poderoso, para justificar-nos e salvar-nos. Sua morte provou a  grandeza do seu amor; sua ressurreição manifesta de novo que seu amor havia logrado o seu objetivo.”
A ressurreição foi a completa derrota do pecado, da morte e do maligno. Jesus não morreu como vítima. Ele morreu como conquistador. Sua vitória foi manifesta na ressurreição. O apóstolo S. Pedro testificou no sermão do dia de pentecostes, dizendo que “a sua alma não foi deixada no Hades, nem a sua carne viu a corrupção”, concluindo: “Saiba, pois com certeza toda a casa de Israel que a esse Jesus, a quem vós crucificastes, Deus o fez Senhor e Cristo.” O que Pedro quis dizer quando afirmou que Deus o fizera Senhor e Cristo? O nome de Jesus era descritivo da pessoa a quem eles conheceram como vivendo no seu meio e a qual condenaram à morte. E agora Pedro lhes anunciou o surpreendente fato de que Deus revertera o juizo de condenação sobre Jesus, exaltando-o a uma posição de autoridade e poder que lhe pertence por direito como Senhor e Cristo (ou Ungido). A posição que ele ocupava antes, no seu seio, não era sua posição de direito. Ele estava presente como alguém de poder limitado, por fraqueza, como mostra a vergonhosa morte que sofreu: Tal posição não será sua jamais. Deus o exaltou. Deus o revestiu de autoridade e de poder universais. Seu poder é poder espiritual, como o demonstrou o derramamento do Espírito Santo.
II - É a segurança da nossa salvação
Jesus dissera aos seus discípulos e a todos os judeus que O ouviam durante a festa da dedicação, última em que Ele tomou parte: “As minhas ovelhas ouvem a minha voz, e eu conheço-as, e elas me seguem; e dou-lhes a vida eterna, e nunca hão de perecer, e ninguém as arrebatará da minha mão.”
Que valor haveria nestas palavras se aquele que as proferira tivesse ficado para sempre retido nas ânsias da morte? Nada mais seriam que palavras ao vento, sem nenhum sentido, sem nenhum poder. Cristo ressurreto, põe, pelo Espírito Santo, na boca do apóstolo Paulo estas palavras: “... e se Cristo não ressuscitou  logo é vã a nossa pregação, e também é vã a vossa fé. Se esperamos em Cristo só nesta vida, somos os mais miseráveis de todos os homens. Mas agora Cristo ressuscitou dos mortos e foi feito primícias dos que dormem. Porque assim como a morte veio por um homem, também a ressurreição dos mortos veio por um homem. Porque assim como todos morrem em Adão, assim também todos serão vivificados em Cristo.
Podemos, portanto, confiar nestas outras palavras de Jesus a Marta, quando da ressurreição de Lázaro: “Eu sou a ressurreição e a vida. Quem crê em mim, ainda que esteja morto, viverá. E todo aquele que vive e crê em mim, nunca morrerá,” porque, “ressuscitou verdadeiramente o senhor.”
III - É a certeza do juízo final
Depois das irrefutáveis provas da sua natureza divina, do seu poder, da sua autoridade como Ungido de Deus, da sua qualidade de Salvador dos homens não há como fugirmos da sua presença quando ele vier na sua glória para o julgamento final. Disso dá-nos certeza a sua palavra dizendo-nos através do livro de Hebreus: “Como escaparemos nós, se não atentarmos para uma tão grande salvação, a qual, começando a ser anunciada pelo Senhor, foi-nos depois confirmada pelos que a ouviram:“Testificando também Deus com eles, por sinais e milagres, e várias maravilhas e dons do Espírito Santo, distribuídos por sua vontade?” E ainda no livro de Atos 17.30-31: “Mas Deus, não tendo em conta os tempos da ignorância, anuncia agora a todos os homens, e em todo o lugar, que se arrependam; por quanto tem determinado um dia em que com justiça há de julgar o mundo por meio do varão que para isso destinou; e disso deu a certeza a todos, ressuscitando-o dos mortos.” Pois que, verdadeiramente ressuscitou o Senhor.
Pr. Manoel Rodrigues de Lima

sábado, 20 de abril de 2019

TUMULO GUARDADO


Achavam-se ali, sentadas em frente da sepultura, Maria Madalena e a outra Maria. No dia seguinte, que é o dia depois da preparação, reuniram-se os principais sacerdotes e os fariseus e, dirigindo-se a Pilatos, disseram-lhe: Senhor, lembramo-nos de que aquele embusteiro, enquanto vivia, disse: Depois de três dias ressuscitarei. Ordena, pois, que o sepulcro seja guardado com segurança até ao terceiro dia, para não suceder que, vindo os discípulos, o roubem e depois digam ao povo: Ressuscitou dos mortos; e será o último embuste pior que o primeiro. Disse-lhes Pilatos: Aí tendes uma escolta; ide e guardai o sepulcro como bem vos parecer. Indo eles, montaram guarda ao sepulcro, selando a pedra e deixando ali a escolta”. (Mateus 27.61-66).
Durante uma parte do tempo, o sepulcro foi guardado por algumas mulheres. No dia seguinte, apesar de sábado, os príncipes dos sacerdotes foram ao Governador romano pedindo mais segurança para o túmulo. Temos assim o túmulo fortemente guardado.
Por certas senhoras que serviam a Jesus.
Observando onde era posto. ‘Ora, Maria Madalena e Maria, mãe de José, observaram onde ele foi posto’. (Marcos 15.47). Contemplando o que fora o seu amado Mestre. Recordando cada detalhe no silêncio. Preparando para voltar depois do sábado. ‘Então, se retiraram para preparar aromas e bálsamos. E, no sábado, descansaram, segundo o mandamento’. (Lucas 23.56).
Por uma guarda Romana.
A pedido dos principais sacerdotes que temiam que roubariam o corpo de Jesus. Selando o sepulcro para que pudessem ter mais segurança. Vigiado por soldados que ficaram atentos o tempo todo.
Como preparo para maiores evidências de sua ressurreição.
Não podia haver dúvida sobre a morte de Jesus. Também não poderia ser negada a ressurreição ante as evidências. O túmulo foi guardado pelos inimigos de Jesus com medo exatamente do cumprimento das suas profecias. Muitas vezes os incrédulos creem naquilo que eles não querem crer.
Não podia haver dúvidas de que o Senhor estava lá. Precisamos não somente crer, mas convém que também nossa vontade se submeta à fé ao Senhor.
Léo Lima