COMUNIQUE

Seja Bem vindo! Nossa meta é anunciar Boas Novas! Léo Lima
Precisamos decidir em como ser valiosos, em vez de pensar o quão valiosos somos. Filosofia chinesa

Aflições vindas das Mãos Soberana São bênçãos disfarçadas! (Adam Clarke)

segunda-feira, 30 de abril de 2012

ESPERANÇA

"Foi Cristo quem nos trouxe, pela nossa fé, para a graça de Deus; e agora nós continuamos firmes nela." (Romanos 5.2).

Mesmo que não exista base racional para a esperança, o ser humano continua dependendo dela para uma vida mais tranquila. O agricultor, por exemplo, deve arar com esperança de que a chuva virá, de que ele poderá colher frutos do seu trabalho. A esperança bíblica é, por conseguinte, inseparável da fé em Deus.

O apóstolo Paulo escreveu aos cristãos de Roma dizendo que por Jesus Cristo temos entrada pela fé a esta graça. A graça de Deus. A salvação por Jesus Cristo. Estamos pois firmes e constantes, revigorados pela esperança que nos proporciona a fé em Jesus Cristo.

Ao lermos a história da humanidade podemos perceber que o ser humano sempre teve necessidade de esperar por coisas que ele não via. Muitos deuses foram imaginados e cultuados.

Com Jesus Cristo, Deus, o Pai, provou o seu amor para conosco em que Cristo morreu por nós sendo nós ainda pecadores. Deus mostrava aí, nitidamente, que suas promessas eram cumpridas. E esta esperança que por séculos impulsionou o povo de Deus, teve o seu ponto culminante, o seu apogeu, a sua glória quando Deus, o Pai, ressuscitou Cristo dentre os mortos. É isso que nos impulsiona a continuar firmes na esperança que é mais uma certeza do céu. A ressurreição em que cremos nos proporciona um momento da glória de Deus, esta que ninguém jamais pode contemplar. Moisés quando esteve diante da glória de Deus voltou para o povo com o rosto brilhando, refulgente de luz. Temos a esperança de contemplar o nosso Remidor face a face e estarmos junto a Deus, o Pai, rendendo-Lhe louvores. Continuemos firmes na esperança dada por Deus através de sua graça remidora.

A esperança é uma mola que conduz para um viver mais feliz! Busque-a em Jesus!
Léo Lima

domingo, 29 de abril de 2012

VITÓRIA

"Porque, se anuncio o evangelho, não tenho de que me gloriar, pois me é imposta essa obrigação; e ai de mim, se não anunciar o evangelho! E por isso, se o faço de boa mente, terei prêmio; mas, se de má vontade, apenas uma dispensação me é confiada. Logo, que prêmio tenho? Que, evangelizando, proponha de graça o evangelho de Cristo para não abusar do meu poder no evangelho. Porque, sendo livre para com todos, fiz-me servo de todos para ganhar ainda mais. E fiz-me como judeu para os judeus, para ganhar os judeus; para os que estão debaixo da lei, como se estivesse debaixo da lei, para ganhar os que estão debaixo da lei. Para os que estão sem lei, como se estivesse sem lei (não estando sem lei para com Deus, mas debaixo da lei de Cristo), para ganhar os que estão sem lei. Fiz-me como fraco para os fracos, para ganhar os fracos. Fiz-me tudo para todos, para por todos os meios chegar a salvar alguns. E eu faço isto por causa do evangelho, para ser também participante dele. Não sabeis vós que os que correm no estádio, todos, na verdade, correm, mas um só leva o prêmio? Correi de tal maneira que o alcanceis. E todo aquele que luta de tudo se abstém; eles o fazem para alcançar uma coroa corruptível; nós, porém, uma incorruptível. Pois eu assim corro, não como a coisa incerta; assim combato, não como batendo no ar. Antes subjugo o meu corpo, e o reduzo à servidão, para que, pregando aos outros, eu mesmo não venha de alguma maneira a ficar reprovado." 1 Coríntios 9:16-27.

A coroa é um objeto ambicionado por muitos, especialmente nos campeonatos esportivos de um modo geral. As Olimpíadas foram dos primeiros jogos a se ter notícia no mundo. Festivas eram as épocas de jogos na antiga Grécia. Corridas, arremesso de discos, etc. Semelhante aos nossos campeonatos. A coroa, o prêmio representava e representa a vitória conseguida.
As pessoas estão interessadas no prêmio pelo que ele vale pelo que ele representa e pelo que ele nos aproveita. E para isso o preparo exige que o esportista lute com determinação, não cedendo ao desânimo, enfrentando os perigos e perseverando na luta.
Muitos têm que conviver com renúncia das coisas que enfraquecem a nossa resistência, das coisas que desviam nossa atenção e das coisas que podem nos levar ao fracasso.
Portanto, lutamos com nosso próprio eu para subjugá-lo, para dominá-lo e para livrá-lo de tudo que possa ser um empecilho para se conquistar o prêmio. Que nos satisfaz plenamente.
Assim deve ser a nossa vida espiritual: correr para ganhar a coroa que nos está prometida. Especialmente porque não é incerta. Deus cumpre todas as suas promessas. Porque não é vã. Sabemos que ao concluirmos a nossa trajetória neste mundo e nos encontrarmos com o Senhor a recompensa será algo que não podemos dizer com simples palavras, pois receberemos a nossa coroa que é incorruptível. Ou seja, ela não se desgasta e nem se corrompe. Um prêmio que outro igual não.

Lutar por uma coroa certa, real,
e incorruptível já é vitória!
Léo Lima

sábado, 28 de abril de 2012

ROSTOS

Neste dia volto a compartilhar uma das poesias escritas por meu pai cujo pseudônimo era Amil Edram. Esta é especial para mim. Trata de rostos de pessoas que tantas vezes não vemos... Vale para uma reflexão. Deus abençoe a todos! Léo Lima

Rostos de gente... Face da história

Gosto de fitar os rostos,
Todos os rostos,
Que se me defrontam.
Gosto de vê-los,
Perscrutá-los.
Neles vejo retratada
Toda a história,
As mais das vezes inglória,
De toda a humanidade!

Olhar os rostos das crianças...
Meigas, inocentes,
Irriquietas, irreverentes,
Onde a história
Está no seu prêmio,
Nem sempre simples.
Vezes sem conta,
Um prefácio triste
Que nos fala de miséria,
Dor, desalento, abandono;

Introdução sem brilho
Para uma história imprevisível...
Outros entretanto,
Me parecem
De rebuscado estilo
Vibranrte, vivaz;
Exórdio a prometer no enredo
De longa vida a percorrer,
Legítimo combate
Sem vacilações, sem medo!

Ainda assim,
Apesar de incerto
O desenrolar da história,
Vejo no rosto das crianças,
Uma promessa, no vislumbre
Das mais aneladas esperanças...

Gosto de olhar no rosto,
A Mocidade:
Vejo ali desenrolar
A história em plena ação.
Luta. Vigor. Virilidade.

Os quadros mudam com incrível variedade...

Há lances heróicos, estupendos!
Há fracassos horrendos
Quando fugindo ao seu objetivo
Deixam-me levar
Por ideal esquivo...

Vejo em rostos jovens

A velhice precoce.
Vejo rosto que por mais que esforce,
Esconder não pode a frustração...

Vejo rostos alegres,
Francos, simpáticos,
Vejo rostos tristes,
Confusos, sorumbáticos.

Leio neles, quais feridas,
Um mundo de coisas sofridas,
De venturas sonhadas,
De esperanças não vividas!

Que dizer então, dos rostos anciãos?
Representam geralmente
O epílogo da história...
Como em muitas delas,
Apenas um epílogo...

Outros por contraste
Venceram o desgaste.
Estupenda conclusão!
Estão ante meus olhos
Como fecho glorioso,
Brilhante peroração!...    -  Amil Edram

sexta-feira, 27 de abril de 2012

SEGUIR A CRISTO

Como Tornar-se Seguidor de Cristo é um assunto tratado pelo próprio Mestre e está registrado no Evangelho segundo Mateus.
Então Jesus disse aos seus discípulos: "Se alguém quiser acompanhar-me, negue-se a si mesmo, tome a sua cruz e siga-me. Pois quem quiser salvar a sua vida a perderá, mas quem perder a sua vida por minha causa, a encontrará. Pois, que adiantará ao homem ganhar o mundo inteiro e perder a sua alma? Ou, o que o homem poderá dar em troca de sua alma? (Mateus 16.24-26).

E isso implica em como a pessoa pode tornar-se um seguidor de Cristo:
Preencher a Condição
- "Se alguém quizer vir após mim..." Primeiro é uma decisão pessoal - "alguém" o que também lembra ser individual - "alguém quizer". Mas, acima de tudo é uma escolha optativa - "Se... quizer vir" além de ser totalemente voluntária - "se alguém quizer vir após mim..." O que exige uma condição.
Satisfazer a Exigência
- "Renuncie-se a si mesmo" que envolve perda: de conforto. Tantas vezes é necessário renunciar entre tantas coisas a si mesmos, e principalmente os prazeres mundanos. Além das amizades do mundo. Estas tantas vezes atrapalham o relacionamento com o Pai. Outra exigência é de deixar certos interesses materiais, e o que resulta a perda de certo "prestígio" o que acarreta sacrifício: de adaptação à nova vida. De conformação ao novo estado. E de consequente atitude.
Tomar Decisão
Faz-se necessário que a pessoa "...Tome a sua cruz e siga-me". De forma resoluta "tome". Corajosa. "tome a sua cruz". Definida "a sua cruz" Própria. "tome a sua cruz" e Ativa "e siga-me"
Temos estudado as palavras de Jesus a respeito de como podemos tornar-nos seus seguidores. Todavia, o que nos parece exigências tão grandes de fato não são, posto que elas só se fazem aos que já têm posto a sua confiança n'Ele como salvador, e devem cumprir essas exigências por motivo de gratidão, pois que, para salvar-nos Jesus deu a sua própria vida na cruz do calvário, e ele mesmo pro- mete estar conosco para nos ajudar e amparar em nossa nova vida espiritual de maneira a que nos sintamos confiantes no Senhor e tenhamos a certeza do céu.
Léo Lima

quinta-feira, 26 de abril de 2012

AGORA MESMO


"Aniquilará a morte para sempre, e assim enxugará o Senhor Jeová as lágrimas de todos os rostos, e tirará o opróbrio do seu povo de toda a terra; porque o Senhor o disse." (Isaías 25.8).

A vergonha é um sentimento que ninguém gosta de sentir. No texto vemos que o profeta fala do povo judeu passando por uma grande vergonha. Mas ainda dentro deste texto, vemos a promessa divina de que seria tirada toda a vergonha e a morte seria vencida para sempre. Ele acabaria com a morte. Esta morte não é a morte física, mas a morte da alma. Este povo podia ter esperança nestas palavras. A grande promessa que Deus estava fazendo quando dizia através do profeta Isaías: "O Senhor Eterno acabará para sempre com a morte. Ele enxugará a lágrima dos olhos de todos e fará desaparecer do mundo inteiro a vergonha que o seu povo está passando." Ele aniquilará a morte para sempre. Que promessa! E sabemos que ela se cumpriu com a vida eterna que Cristo deu através da cruz. A morte foi destruída pela morte que se fez Vida eterna em Jesus Cristo!

Se houver lágrimas elas serão enxugadas pelo amor de Cristo. Se o peso do pecado cair sobre os ombros da criatura, logo Jesus se oferece para ajudar a retirar este peso. Aquele povo aguardava a salvação do Senhor e dizia: "na sua salvação gozaremos e nos alegraremos" é esta alegria que o salvo vive. Gozo perene! Viver o céu desde já é o que acontece com aqueles que crêem na salvação oferecida por Jesus Cristo, mesmo que as tribulações venham, podemos nos lembrar das palavras de Jesus: "No mundo tereis aflições, não pasme! Eu venci o mundo!" Ele venceu a morte através da ressurreição. E somente Jesus pode nos proporcionar este viver pleno de amor, abundante na alegria e rico de vitórias!

Jesus venceu a morte. É uma realidade e eu creio nela.
Ele aguarda para transformar sua vida agora mesmo!
Léo Lima

quarta-feira, 25 de abril de 2012

MUDANÇA

"Jesus foi entregue para morrer por causa dos nossos pecados e foi ressuscitado para que sejamos aceitos por Deus." (Romanos 4.25).

Para que haja uma mudança de comportamento necessário se faz movimentos, atitudes, tomada de posição diferentes das que nos são habituais. São escalas como que de uma subida íngreme para que se atinja o ideal almejado.

O apóstolo Paulo nos mostra a fonte, a razão que se chama Jesus Cristo que sofreu por cada um de nós. Ele foi entregue para ser morto a fim de nos justificar. Paulo diz ainda que é preciso haver confissão ao Senhor Jesus e para que isso ocorra é preciso que o coração creia na morte e ressurreição de Cristo e só então será o momento de dizer, de expressar o que vai no interior.

Quantos movimentos fizemos para que pudéssemos chegar diante de Cristo e finalmente nos confessar. Quantos atos precisaram ser modificados para que houvesse uma total mudança em nosso ser. Quantas tomadas de posições, muitas vezes até radicais, nós fizemos. Mas isso nada é, comparado à obra redentora de Jesus Cristo na cruz do calvário. Se conseguirmos contemplar a tomada de posição e o ato redentor de entrega de seu único Filho que Deus, o Pai, proporcionou-nos para nossa justificação através de Cristo, seremos gratos e felizes a cada dia.

Como é bom louvar a Deus por este maravilhoso acontecimento que nos resgatou e que de uma maneira muito especial vem libertar-nos da escravidão do pecado! Este ato divino nos dá a vida abundante em Cristo e nos garante o céu!

Você já desfruta desta alegria? Já consegue chegar diante de Deus e contemplar seu amor?

O Senhor opera uma mudança interior real.
Léo Lima

terça-feira, 24 de abril de 2012

REALIZADO

"Agora Deus fez para nós o que havia prometido aos nossos antepassados: ele ressuscitou Jesus. É assim que está escrito no Salmo dois: "Você é o meu filho; hoje eu me tornei o seu pai." (Atos 13.33 - Bíblia na Linguagem de Hoje).
Contemplamos muitas vezes os olhos brilhantes, o rosto feliz de uma criança, especialmente quando ela recebe algo que lhe fora prometido por nós. É o reflexo da felicidade pura, pois ela havia esperado, aguardado com ansiedade por aquele momento, acreditando que receberia sem nenhuma dúvida. Ela acreditava!

Os judeus conheciam todas as bênçãos outorgadas por Deus ao seu povo na longa história narrada pelos seus antepassados. Conheciam a promessa divina. Entretanto, alguns foram cúmplices da morte do Messias. Quando Ele chegou eles não o reconheceram como sendo o Prometido. Não acreditavam tratar-se do Filho de Deus feito homem. Paulo recorda-lhes de toda a promessa que havia sido plenamente cumprida. O apóstolo Paulo lembrava-lhes e exortava-os do que nos Salmos esta escrito: "Tu és o meu filho, hoje te gerei" lembra que por Jesus Cristo é possível a justificação de vidas. Muitos dos judeus procuravam atrapalhar Paulo, zombavam e ele então disse: "Era mister que a vós se vos pregasse primeiro a palavra de Deus, mas, visto que a rejeitais, e vos não julgueis dignos da vida eterna, eis que nos voltamos para os gentios." (v. 46). Deus cumpriu sua promessa plenamente através de Seu Filho Jesus. Que morreu e ressuscitou dos mortos. Ele, Jesus Cristo, esteve neste mundo e não se corrompeu, mas foi fiel ao que Deus lhe ordenou fazer.
Temos a cada momento diante de nós muitos obstáculos, entretanto, precisamos com ousadia, olhos brilhantes como os da criança, sorriso aberto, muita alegria mostrar que a maior espectativa do nosso viver já foi realizada. Temos, com certeza e salvos por Cristo, o céu. Podemos oferecer a muitos que buscam realizar o maior sonho e a mais sublime promessa, a salvação através de Jesus Cristo.
É necessário crer que Deus cumpriu sua
Promessa por meio de Cristo.
Léo Lima

segunda-feira, 23 de abril de 2012

PRESENTE

"Tu multiplicaste a este povo, a alegria lhe aumentaste; todos se alegrarão perante ti, como se alegram na ceifa e como exultam quando se repartem os despojos." (Isaías 9.3).
Todos desejamos viver satisfeitos e felizes. As palavras do profeta Isaías estão predizendo a vinda do Messias prometido "O povo que andava em trevas viu uma grande luz; e sobre os que habitavam na terra de profunda escuridão resplandeceu a luz." (v.2) que deveria ser a Luz do Mundo! Esta referência é de que este povo sofrido e que andava em trevas veria e receberia uma grande luz. Não porque mereciam, pois muitas vezes eles desobedeciam as leis de Deus. Mas por misericórdia divina. O dicionário diz que misericórdia é: "sentimento de dor e solidariedade com relação a alguém que sofre uma tragédia pessoal ou que caiu em desgraça". Este sentimento de amor profundo motivou o nosso Deus a enviar Jesus e assim cumprir o seu plano de salvação para a humanidade.
Como é desconcertante a história do povo de Deus. Ele foi escolhido para a redenção, mas tantas vezes por quase nada eles descriam e afastavam-se de Deus.
 
Podemos ver que diante da visão que Isaías teve do Messias, ele demonstra sua gratidão, pois via que seu povo seria multiplicado e que finalmente reinaria a alegria pois o Messias derrotaria o inimigo. O Messias que seria chamado: "Maravilhoso, Conselheiro, Deus forte, Pai da eternidade e Príncipe da paz."(v.6). E foi por saber deste Rei que o profeta pôde vislumbrar ao longe a vitória sobre todos os inimigos. Com toda reverência Isaías anuncia que o seu povo desfrutará da satisfação almejada. A liberdade completa viria do Messias, como veio.
 
"Todos se alegrarão perante ti, como se alegram na ceifa e como exultam quando se repartem os despojos." (Isaías 9.2 ). A alegria seria a mesma, só que a promessa não era a de dar a sobra, mas o que sempre existiu de mais precioso para Deus o Pai, sua primícia, o seu único Filho. Deus prometia dar o que de melhor possuía! Este povo poderia ficar indiferente?
 
Deus cumpriu esta promessa. Ele enviou Jesus Cristo, seu Filho, para nos libertar de todo mal e para nos dar a vida eterna.
 
E como estamos reagindo ante este presente de Deus?
Léo Lima

domingo, 22 de abril de 2012

NA LUZ

"Porque tu, Senhor, não me abandonarás no mundo dos mortos nem deixarás que o teu dedicado servo seja destruído. Tu me ensinaste os caminhos que levam à vida, e a tua presença me encherá de alegria." (Atos 2.27,28).

No texto acima expressa uma exclamação do apóstolo Pedro quando proferiu seu grande discurso e todos os presentes foram cheios do Espírito Santo de Deus. Esta exclamação brotava do fundo do seu ser como uma afirmação de sua crença e de que ele sabia que jamais viveria em trevas desde então.

Durante seu discurso Pedro lembrava que este acontecimento havia sido profetizado pelo profeta Joel. Quem contemplasse a cena que antecedeu estas palavras poderia pensar que aqueles judeus estavam embriagados, ou mesmo loucos. Pedro procurava exclarecer que tudo que acontecia ali, era pelo mesmo Cristo que eles já conheciam, pois eles já haviam presenciado muitas maravilhas operadas por Jesus. Jesus que o próprio rei Davi havia escrito: "sempre via diante de mim o Senhor, porque está a minha direita, para que eu não seja comovido; por isso se alegrou o meu coração, e a minha língua se exultou; e ainda a minha carne há de repousar em esperança." (Atos 2.25,26). Davi morreu e foi sepultado, mas tinha certeza de que de sua descendência viria aquele que seria o redentor de muitos.

Pedro exclamou: "Pois não deixarás a minha alma no hades, - inferno - nem permitirás que o teu santo veja a corrupção". Davi dizia ao Senhor: "Não as trevas! Não permitas Pai, que o teu servo viva nas trevas, mas que o meu coração se encha de júbilo perante a tua face." Como é bom termos esta convicção de que o Senhor não nos permitirá adentrarmos às trevas, não nos permitirá viver a corrupção. Mas para que isto aconteça é necessário que haja uma transformação em nossa vida, a de crermos no santo nome de Jesus como salvador e remidor e então deixarmos que Ele faça a mudança em nós. É a nossa vontade que comanda o nosso vider. Portanto, é necessário que queiramos ser transformados para vivermos na luz de Jesus.
Jesus está aguardando por você!!!
Léo Lima

sexta-feira, 20 de abril de 2012

ILUMINADO

"Exultai, ó céus, e alegra-te tu, terra, e vós montes, estalai de júbilo, porque o Senhor consolou o seu povo, e dos aflitos se compadecerá." (Isaías 49.13).

Estamos nos aproximando do inverno quando algo em nossa terra que lembra um pouco do deserto seco e áspero. Portanto, existe um certo ar de tristeza nestes dias. Quando se efetuam as queimadas nos campos e matas é como se a natureza estivesse adormecendo e ela mostra o seu lamento acinzentado. Ao lermos o texto acima percebemos a conclamação e sentimos que para que estas coisas aconteçam é necessário que os céus, os montes, a terra, enfim, tudo esteja limpo e verde como depois de muita chuva. Para que os céus e os montes cantem, a terra se alegre, é preciso que tudo esteja pronto para esta festa.

Entretanto, estamos no mês de abril e vivendo o período em que as folhas caem. Mas ainda temos as flores do outono a iluminar e dar alegria nos prados, nos montes e colinas e as árvores que se manifestam com flores se rejubilam de fato, e por isso mesmo podemos ter este texto como um consolo para nossos corações não importando se estamos tristes ou aflitos, pois a promessa é de consolo e compaixão. "Exultai, ó céus, e alegra-te tu, terra, e vós montes, estalai de júbilo, porque o Senhor consolou o seu povo, e dos aflitos se compadecerá."

Quantas vezes desejamos cantar e nos alegrar no Senhor quando dentro de nós acontece densas nuvens escurecendo o nosso brilho. Dentro de nós a aflição reina. Dentro de nós a apatia mora!

É preciso reagir porque o Senhor consola o seu povo. O Senhor purifica a vida de cada um que O busca. O Senhor dá brilho novo aos nossos olhos, à nossa vida! O Senhor se compadece dos aflitos. Basta buscá-lo para que tudo se modifique em nosso viver. Para que a primavera seja uma realidade em nós.

Que o Senhor esteja agindo em nosso dia a dia para que como a terra nós nos alegremos no Senhor dos senhores. Você pode sentir esta mudança agora mesmo e todas as aflições e amarguras se afastarão de sua vida.
Vale olhar e ver a presença divina em cada reação da natureza!
Léo Lima

quinta-feira, 19 de abril de 2012

DOMÍNIO

Continuo hoje com mais ima reflexão sobre a responsabilidade do ser humano para com o planeta que habitamos. Estamos vendo que os resultados em toda a terra quando a natureza reage de forma assustadora.

Conforme Gênesis capítulo 3 narra a comunhão perfeita com Deus que sofreu uma ruptura ante a desobediência e Adão e Eva sentiram-se constrangidos quando Deus os chamou e eles se esconderam. Para Champlin estes momentos foram cruciais para a vida humana na terra: O relato de Gênesis diz-nos que toda espécie de resultado negativo sobreveio imediatamente após a queda no pecado: a maldição contra a serpente, que proveu o pano de fundo para a primeira promessa messiânica (Gên. 3.15); a maldição contra a terra; o começo do labor árduo; a dificuldade da mulher, no parto; a submissão da mulher ao homem. E, de modo algum a coisa menor, a tendência de uma pessoa lançar a culpa sobre outra, por suas más ações.

Dentro desta dimensão Champlin comenta sobre o v. 23 “O Senhor Deus [...] o lançou fora do jardim”. Foi executada assim a severa sentença contra a desobediência. O homem perdeu seu belo local de residência. Agora o homem estava reduzido a dedicar-se a um trabalho árduo ‘em algum lugar lá fora’.

A terra foi amaldiçoada; e agora o homem era um ser mortal. “Adão faz-me lembrar de certo homem que foi condenado a servir por vários anos em uma detenção, e que comentou então: ‘Não sei se poderei suportar isso!’. Uma terrível expectação, realmente. A prisão. Foi assim que Adão chegou ao seu novo meio ambiente: trabalho árduo e suor, preso em um corpo que haveria de debilitar-se no decorrer dos anos. Ele saiu do paraíso em alienação, e essa é uma verdade universalmente ilustrada.” (CHAMPLIN).

Considerando assim, Champlin ratifica sobre a dificuldade que o ser humano enfrentaria desde então. “Não é fácil fracassar. O homem havia falhado na tarefa simples que Deus lhe dera para fazer”. (CHAMPLIN).

Constatamos que a partir da autoridade delegada ao ser humano na criação, em que Deus dá o poder de domínio para que o homem administre toda a criação desde o “encham e subjuguem a terra” até as normas de preservação. Vimos também como Deus se manifesta na terra que lhe pertence (Salmo 24.1) “Do Senhor é a terra e tudo o que nela existe, o mundo e os que nele vivem” e que o ser humano se distanciou das recomendações administrativas, portanto sua responsabilidade no grito de socorro que a natureza faz soar mostra o distanciamento do cumprimento das tarefas delegadas por Deus.
Léo Lima

quarta-feira, 18 de abril de 2012

COMPROMISSO

As reflexões de ontem e de hoje foram extraídas do meu trabalho final do curso de especialização em Bíblia. Desejo que façamos uma reflexão quanto à nossa responsabilidade com o meio em que vivemos. Que Deus nos ajude a sermos exemplo neste aspecto da vida. Louvado seja o Senhor.

E disse Deus ainda: Eis que vos tenho dado todas as ervas que dão semente e se acham na superfície de toda a terra e todas as árvores em que há fruto que dê semente; isso vos será para mantimento. E a todos os animais da terra, e a todas as aves dos céus, e a todos os répteis da terra, em que há fôlego de vida, toda erva verde lhes será para mantimento. E assim se fez. (Gênesis 1.29,30).

Deus designa os meios de sobrevivência para os seres criados e o texto mostra o Pai falando diretamente e determinando a Adão e Eva o que deveriam utilizar em toda a criação para sua subsistência e a forma como os demais animais deverão se alimentar. Champlin comentou quanto ao VV. 29: “O homem tira vantagem da provisão divina da vida vegetal. Isso faz parte da sua herança divina. Visto que o versículo não menciona especificamente a carne dos animais, alguns estudiosos têm pensado que este versículo determina uma dieta vegetariana para o homem. [...] Outros intérpretes pensam que a omissão de animais como alimentos, neste ponto, foi meramente incidental, sem nenhum propósito básico.”

Eis que no vv. 30, ele recorda que Deus demonstra que cuidará até dos animais. Ele faz referência à preocupação de Deus não somente com os víveres do ser humano como também com o dos animais. “A provisão de Deus abrange todos os demais animais, e sob as mesmas condições. A ingestão de carne também é omitida aqui”. (CHAMPLIN, 2001, p. 20).

De acordo com comentários na Bíblia do Executivo[1] o texto em de Gênesis 1.26-31, estabelece a responsabilidade do homem e da mulher como mordomos e administradores do mundo criado. Este comentário referencia que o Mordomo é aquele que administra as posses de alguém. O autor mostra que “todos somos mordomos dos recursos, habilidades e oportunidades que Deus confiou aos nossos cuidados” (Bíblia do Executivo, 2004, p. 4), e diz mais: A ordem “encham e subjuguem a terra” (v. 28) está sendo cumprida nos últimos tempos de maneira mais abrangente que em qualquer outra época. Pela primeira vez na história do mundo, enfrentamos a crise da poluição global e da destruição indiscriminada de recursos insubstituíveis como as florestas tropicais. Muito disso se deve à ganância e à insolência humanas.

O autor do comentário da referida Bíblia aponta que foi justamente a partir da ordem divina de “encham e subjuguem a terra” que o ser humano iniciou este processo destrutivo. E o mestre Bitencourt[2] diz que “Deus cria um jardim, mas o homem constrói um mundo de pedra do seu jeito, mudando assim a ordem original, como se ele mesmo fosse o criador”. (BITENCOURT, 2002, p. 103).
Léo Lima



[1] Bíblia do Executivo. Organização geral: BUZZELL, Sid. São Paulo: Ed. Vida, 2004.
[2] BITENCOURT, Marcos Antônio Miranda. GÊNESIS, CAPÍTULOS 1 A 11: A LINGUAGEM MÍTICA CONTRA OS MITOS DA DIVINIZAÇÃO DA CRIAÇÃO. Dissertação do grau de Mestre em Teologia. Recife: Seminário Teológico Batista do Norte do Brasil, 2002.

terça-feira, 17 de abril de 2012

RESPONSABILIDADE

No texto “E Deus os abençoou, e lhes disse: Sede fecundos e multiplicai-vos” (Gênesis 1.28) está clara a bênção e eis que era imperativo a propagação da espécie humana. A vida do homem era abençoada no mais alto grau, e não só no que dizia respeito à procriação. A vida do homem é abençoada porque Deus se importa com ele; há uma provisão divina; o amor flui; o bem-estar faz parte do decreto divino. [...] Dentre a criação física, haverá de emanar uma criação espiritual, segundo os vs. 26 e 27 sem dúvida dão a entender.[1]
Já em Gênesis 1.26 “Também disse Deus: Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança; tenha ele domínio sobre os peixes do mar, sobre as aves dos céus, sobre os animais domésticos, sobre toda a terra e sobre todos os répteis que rastejam pela terra.” Champlin ainda faz alusão a que apesar da fraqueza humana a sua inteligência é que lhe dá condições de administrar e dominar o meio ambiente: Dominai. O homem é uma criatura fraca, mas a sua inteligência lhe permite dominar o seu meio ambiente, como também dominar e amansar, até certo ponto, os animais irracionais. Isso aparece como um poder dado por Deus, que o homem deveria exercer. A ciência, pois, tem feito bem em promover toda espécie de conhecimento e poder. [...] O homem foi criado como um ser dotado de natureza tal que ele pode realizar essas coisas, e todas as atividades que fazem parte desse progresso foram determinadas e abençoadas por Deus.

Apesar de sua queda e degradação, é simplesmente espetacular como o homem tem progredido no conhecimento científico. O meio em que o homem vive e sua herança tanto material quanto espiritual é que determina sua forma de interagir com o seu ambiente: Responsabilidade espiritual. a. Devemos usar e desenvolver nossas habilidades naturais ao máximo; b. Devemos ser sensíveis ao meio ambiente, alterando-o para melhor; c. No caso dos cientistas, devem identificar – elementos físico-químicos prejudiciais, removendo-os do meio ambiente. [...] Governos e igrejas também têm responsabilidade de manifestar-se quanto a esse particular; d. Devemos estar interessados na herança espiritual, aprendendo mais sobre ela e promovendo-a, pois esse, afinal, é o mais importante de todos os fatores.

Já a Bíblia NVI apresenta seu comentário e destaca o v. 28 como bênção divina para o ser humano: Deus os abençoou [...] Encham [...] subjuguem [...] Dominem. O homem começa sua jornada com essa bênção divina – viceja, enche a terra com seus semelhantes e exerce domínio sobre as demais criaturas terrestres (cf. v. 26; 2.15; Sl 8.6-8). A cultura humana, portanto, não é contrária a Deus (embora o homem caído tenha muitas vezes transformado seus esforços em rebelião orgulhosa contra Deus). Pelo contrário, é a manifestação de um homem que tem a imagem do seu Criador e compartilha, como servo de Deus, do governo soberano deste. Como representante de Deus no âmbito da criação, é mordomo das criaturas de Deus. Não deve explorá-las, destruí-las nem despojá-las, mas cuidar delas e usá-las a serviço de Deus e do homem.[2]
Léo Lima



[1] (CHAMPLIN, 2001, p. 20).
[2] (BÍBLIA NVI, 2003, p. 8).

segunda-feira, 16 de abril de 2012

MARAVILHOSO!!!

A poesia que segue é mais uma do livro Vê. Que esta semana de atividades o Senhor possa nos falar e nos abençoar com sua graça infinita. Louvado seja o Senhor!

Jesus Maravilhoso,
Deus homem, veio um dia
Como Prometido fora.
Pelo homem que O traia
Foi submetido
À cruz. à  rude cruz que espinhos
Muitos continha!

Jesus, triunfante, venceu a morte!
Como havia dito
O profeta Isaias, de sorte
Como predito.
Foi ressurreição. Foi maravilhoso!
Canto esplendoroso!

Jesus maravilhoso hoje está presente
Nesta hora!
Se você ainda não O sente,
Nem vê Seu vulto...
Pare! Escute! Sua voz harmoniosa.
Mui melodiosa quer lhe falar.

Sim! Ele está presente neste instante.
Não relute!
Você é para Ele muito importante.
Veja! Escute!
É a luz prodigiosa que brilhando
Em harmonia ressoando!

Os seus pecados que está chorando
Confesse-os.
E vida nova vai desfrutando
Todo coração contrito!...
Oh! E a grande alegria meu irmão
Com certeza
Jorrará do seu coração!!!
 Léo Lima

domingo, 15 de abril de 2012

AMOR REVELADO

"Os céus manifestam a glória de Deus e o firmamento anuncia a obra das suas mãos." (Salmos 19.1).

O universo físico e visível são provas concretas da grandiosidade, soberania e sabedoria de Deus. Em nosso dicionário não existem expressões que possam definir o que sentimos ao contemplar tudo ao nosso redor. Estamos constantemente convivendo com este explendor, sem entretanto percebermos o quanto poderíamos usufruir dele. Mas se nos detivermos para contemplar, ouvir, sentir e para perceber poderemos começar a sair do cáos em que está se transformando a terra e tudo que nela há. A loucura crescente do progresso, o atropelo das pessoas para se chegar a um determinado ponto, afasta-nos do prazer de desfrutar. Se conseguirmos separar pequenos momentos de reflexão e contemplação, poderemos começar a usufruir da tranquilidade sonhada e até ambicionada.
Ante as turbulentas ocorrências no mundo o ser humano, na sua maioria, está sendo acometido por males como o medo, a ansiedade, o esgotamento físico e mental e tantos outros. O que fazer para pelo menos amenizar  estes fatos que afligem as pessoas? É preciso ouvir que o firmamento anuncia as obras de Deus, nos aproximarmos de Deus e sentir que Sua presença pode nos alegrar e impulsionar a continuarmos nesta jornada que Deus deseja que seja de paz.
Diante da excelência da criação podemos ter a sensação do nosso próprio íntimo sendo revelado, e ainda sentir presente a face de Deus a nos contemplar. Os céus revelam a glória de Deus. As Escrituras revelam a Sua palavra e grandeza!
A alma reflete a Sua graça, Jesus Cristo, que é a plenitude de Deus entre nós. Somente aqueles que têm sua vida modificada pelo amor de Jesus podem sentir a paz abundante e uma vida de glorificação a Deus. Somente para aqueles que foram tocados pelo amor de Deus refletido na morte de Jesus Cristo é que o firmamento anuncia a obra de Deus e Seu amor por nós.
Todo o universo é uma continuidade 
do amor divino revelado.
Léo Lima