COMUNIQUE

Seja Bem vindo! Nossa meta é anunciar Boas Novas! Léo Lima
Precisamos decidir em como ser valiosos, em vez de pensar o quão valiosos somos. Filosofia chinesa

Aflições vindas das Mãos Soberana São bênçãos disfarçadas! (Adam Clarke)

quarta-feira, 31 de outubro de 2012

PLANOS

Esta publicação faz referência à letra Zain do alfabeto hebraico e que compõe o salmo 119. Nossa reflexão nos versículos 49 a 56.

49 Lembra-te da palavra dada ao teu servo, na qual me fizeste esperar. 50 Isto é a minha consolação na minha angústia, porque a tua palavra me vivificou. 51 Os soberbos zombaram grandemente de mim; apesar disso, não me desviei da tua lei. 52 Lembrei-me dos teus juízos antiquíssimos, ó Senhor, e, assim, me consolei. 53 Grande indignação se apoderou de mim, por causa dos ímpios que abandonam a tua lei. 54 Os teus estatutos têm sido os meus cânticos no lugar das minhas peregrinações. 55 De noite, me lembrei do teu nome, ó Senhor, e observei a tua lei. 56 Isto fiz eu, porque guardei os teus mandamentos.

Teus Planos

“Pai, pode o Senhor se recordar do que me prometeu com palavras sábias? Nelas eu tenho esperado. É somente isto que me conservam firme em Ti, pois tuas promessas me consolam nos momentos de angústia, me vivificam e me dão razão para continuar. Muitos foram os que me criticaram; apesar de todas estas coisas em momento algum não fugi da tua palavra. Meu Deus, é que sempre trago à minha memória os teus mandamentos que são muito antigos e é assim que me sinto consolado.

Fiquei indignado e aflito por todos os que se afastam dos teus caminhos e negligenciam a tua lei. Mas para meu deleite os teus estatutos têm se transformado em cânticos em cada passo que eu dou. Em todos os momentos procuro refletir no teu nome, ó Senhor, Deus meu, e procuro observar todos os detalhes dos teus preceitos. Só fiz estas coisas por olhar para dentro do meu ser e conferir se estou dentro dos teus planos. Eu te louvo Senhor!”
Léo Lima

terça-feira, 30 de outubro de 2012

A ROCHA

“Para o louvor da glória da sua graça, a qual nos deu gratuitamente no Amado” (Efésios 1.6). Para que ao nome de Jesus se dobre todo joelho dos que estão nos céus, e na terra, e debaixo da terra, e toda língua confesse que Jesus Cristo é Senhor, para glória de Deus Pai.” (Filipenses 2.10,11).
Precisamos estar com os nossos corações limpos e puros para podermos glorificar ao Senhor, pois é esta a Sua vontade. Sermos Louvor da glória de Deus! Nós recebemos a salvação, gratuita, por Jesus Cristo. Portanto, é preciso que nosso joelho se dobre para louvor do nome do Senhor.
“O homem superior, quando se encontra numa alta posição, não mostra nem fausto, nem orgulho; o homem vulgar demonstra pompa e soberba, até sem estar numa alta posição.” (Confúcio). Aliás, William Hamilton afirma: “No mundo nada existe realmente grande, a não ser o homem; e no homem nada existe verdadeiramente grande, a não ser a alma!”
Quando George III subiu ao trono da Inglaterra, uma das primeiras coisas que proibiu foi que, no templo, não se pronunciasse uma só vez o seu nome com o propósito de elogiá-lo. – Venho a esta capela para ouvir louvores ao meu Deus, e não a um indigno pecador como eu – concluiu. Igualmente, era uma prática tradicional que, logo após a coroação dos reis da Inglaterra, os novos soberanos recebessem das mãos do arcebispo-primaz a Ceia do Senhor. O piedoso rei George III, quando o arcebispo celebrante se inclinou para servir-lhe o pão simbólico – o rei se encontrava de joelhos – retirou da cabeça a coroa, colocando-a em cima de uma almofada ao seu lado, convidando ternamente a rainha a imitar o seu gesto, com estas palavras: - É necessário que o povo saiba que tomamos a Comunhão do Senhor, não como reis, mas como mero cristãos!” (Comper Gray)
“Para a dispensação da plenitude dos tempos, de fazer convergir em Cristo todas as coisas, tanto as que estão nos céus como as que estão na terra.” (Efésios 1.10).
Nós refletimos em que Cristo como a Rocha nos dá a Redenção, Sabedoria e Prudência e nos quer,  principalmente, para Louvor da Glória de Deus, Pai.
Chegará o momento em que todas as coisas serão convergidas em Cristo que reinará com todo poder e glória para todo o sempre. A nossa parte é especial, pois fomos alcançados pelo seu imenso amor e resgatados para vivermos em sabedoria, de forma prudente santa e irrepreensível para darmos testemunho da glória de Deus.
Especialmente, “Para que, ao nome de Jesus se dobre todo joelho dos que estão nos céus, e na terra, e debaixo da terra, e toda língua confesse que Jesus Cristo é  Senhor, para glória de Deus Pai.” Que Ele nos abençoe e nos guarde para louvor da sua glória!
Léo Lima

segunda-feira, 29 de outubro de 2012

SABEDORIA

“Que ele fez abundar para conosco em toda a sabedoria e prudência,” (Efésios 1.8).
Das muitas virtudes existentes, sem dúvida a sabedoria e a prudência andam de mãos dadas. Para que se tenha uma vida equilibrada, regida por Deus, é necessário que, como Paulo afirma em Efésios, tenhamos estas duas virtudes como companheiras constantes de nosso viver.
Podemos nos recordar do célebre rei Salomão quando orou e pediu sabedoria para reinar sobre o povo de Deus. Ele teve sabedoria, inclusive na sua oração. Deus ficou contente com esta atitude do rei que lhe deu toda a sabedoria possível, e muito mais, deu-lhe bens materiais que igual em seu tempo não houve.
Hoje, se formos na fonte certa, Cristo, nos dá com generosidade sabedoria. Podemos perceber na vida que todo sábio é prudente. Portanto, para se possuir prudência basta buscar sabedoria que a prudência chega junto.
Mas, acima de tudo, é preciso saber como pedir ao Senhor e reconhecer quando o pedido, e sempre, é respondido. Deus dificilmente nos responde da forma que desejamos.
Prudente é todo aquele que coloca a sabedoria em exercício.
 
Que a sabedoria e a prudência sejam
nossas companheiras!
Léo Lima

domingo, 28 de outubro de 2012

ROCHA ETERNA

“Água mole em pedra dura tanto bate até que fura.” Este ditado popular pode ser colocado em nossa reflexão. Água, líquido precioso que dá vida desde o gênesis. Ela está diretamente ligada à vida. Jesus mesmo disse: “Eu sou a água da vida, quem dela beber nunca terá sede.” Portanto, temos necessidade da água natural que supre a sede material e a água espiritual que Jesus oferece. Números 20.8 “Toma a vara, e ajunta a congregação, tu e Arão, teu irmão, e falai à rocha perante os seus olhos, que ela dê as suas águas. Assim lhes tirarás água da rocha, e darás a beber à congregação e aos seus animais.” Êxodo 17.6 “Eis que eu estarei ali diante de ti sobre a rocha, em Horebe; ferirás a rocha, e dela sairá água para que o povo possa beber. Assim, pois fez Moisés à vista dos anciãos de Israel.”

A pedra, nós sabemos tem muita consistência e é dura. Ela, entretanto, pode ser furada pela água quando persistentemente batida.

Temos as referências e também promessas: Zacarias 10.4 “De Judá sairá a pedra angular, dele a estaca da tenda, dele o arco de guerra, dele sairão todos os chefes.” Esta é uma das professias sobre a vinda do Messias. Em Salmos 118.22 – “A pedra que os edificadores rejeitaram, essa foi posta como pedra angular.” O salmista também faz referência a Jesus. Já Moisés afirma que Deus é a Rocha eterna, é santo em conforme Deuteronômio 32.3,4 “Porque proclamarei o nome do Senhor; engrandecei o nosso Deus. Ele é a Rocha; suas obras são perfeitas, porque todos os seus caminhos são justos; Deus é fiel e sem iniquidade; justo e reto é ele.” Em I Samuel 2.2 está “Ninguém há santo como o Senhor; não há outro fora de ti; não há rocha como o nosso Deus.”
Mas quando o seu povo se esqueceu desta Rocha Moisés mesmo disse: Deuteronômio 32.18,30 – “Olvidaste a Rocha que te gerou, e te esqueceste do Deus que te formou. Como poderia um só perseguir mil, e dois fazer rugir dez mil, se a sua Rocha não os vendera, e o Senhor não os entregara?” Cristo a Rocha dos Séculos nos dá a Redenção “em quem temos a redenção pelo seu sangue, a redenção dos nossos delitos, segundo as riquezas da sua graça,”  (Efésios 1.7) é Paulo mostrando que a Rocha, Jesus Cristo nos dá gratuitamente a redenção. Jesus pode fazer esta oferta. Dar este presente. Ele sofreu e morreu na cruz do calvário e depois Ele ressuscitou. Com este fato podemos ter acesso ao Pai e se arrependidos nos prostarmos podemos usufruir a paz que a salvação proporciona. Muitas vezes não conseguimos avaliar o que significa este presente, isto quando nos prendemos ao nossos conceitos de valores e a avaliação nem sempre nos permite contemplar o tamanho  deste amor e da graça de Deus para conosco. Água viva só de Jesus a 'pedra angular' pode oferecer!
Você deseja beber desta água? Ela está disponível a todos!
Léo Lima

sábado, 27 de outubro de 2012

ALMA MORNA

Compartilho mais uma das minhas poesias publicadas no livro 'Vê'. Que possamos refletir nestes versos. Deus abençoe a todos!

MORNA??? NÃO!!!

Existe aquele instante
Que a vida gritante torna-se apagada.
A alma magoada segue estraçalhada,
Amordaçada, simplificada em nada...
 
O coração entristecido
Até embrutecido chora desfalecido.
- A vida que hei vivido???
Tudo parece perdido...
 
O ser todo se transforma
Perde todas as normas,
Adquire a mais negra forma...
A alma faz-se morna...
 
Ao redor tudo caos.
Os homens são todos maus...
A sensibilidade é como pau
Da prôa, que embrutece a náu!
A vida, o ar, a amplidão
Tudo se transforma em: NÃO!
Chega a noite de supetão
Escurecendo a razão!
Que fazer então?
 
Nada? Como dizer,
Se o coração a sofrer pede quase a perecer
Que quer a Cristo ver.
Que quer com Ele se encontrar
Que só o doce sono vai acalmar
Que após o último suspiro exalar
A vitória vai ganhar.
A vida vai desfrutar
O orgulho vai murchar
As ânsias vão terminar
A canseira amenizar...
Vai receber no céu um lar!...
 
Perdão, Senhor.
Morna a alma
Oh, não!
O Senhor tem a palma
Para aquele que em calma,
Mantém aquecida! Ardente a alma se encontrar
É o prometido louro
Que em meio à luz, ao ouro,
Feliz cantará no eterno coro, glórias, aleluias
Efusivas saudações, todas alusivas
Ao Outorgador da Vida!...
Léo Lima

sexta-feira, 26 de outubro de 2012

DESEJO REALIZADO

Conclusão de ontem
Quem me dera agora, que as minhas palavras se escrevessem! Quem me dera que se gravassem num livro! E que, com pena de ferro, e com chumbo, para sempre fossem esculpidas na rocha! Porque eu sei que o meu Redentor vive, e que por fim se levantará sobre a terra.” (Jó 19.23-25).
DESEJO EXPRESSO E REALIZADO
 Jó quis apelar para o julgamento da posteridade, já que os seus contemporâneos não quiseram compreender sua situação. Ele desejava, em seu clamor, ver escritas as suas palavras, e sabemos que este desejo manifesto de sua parte foi plenamente realizado. Hoje, milhões conhecem, através de suas palavras, e de seu exemplo de vida, a mais forte expressão de fé. O maior testemunho de crer em um remidor, antes que este remidor viesse ao mundo. Até hoje suas palavras soam muito forte, contribuindo assim para que o reino de Deus cresça!
Estamos tempos em que a família está desvalorizada e percebemos que a juventude não mostra seu potencial. Para que o reino de Deus cresça é preciso a união das forças. Quando lemos em Eclesiastes 12.1, 'Lembra-te do teu criador nos dias da tua mocidade, antes que venham os dias e cheguem os anos dos quais venhas a dizer: não tenho neles contentamento.' podemos ver que o escritor fala para a mocidade alertando-a de que é preciso lembrar-se de Deus, o Criador, logo, enquanto é tempo! O jovem tem força.
a) Força constante
É preciso lembrar que a força da mocidade deve estar em cada crente, sem distinção de idade. Sabemos que a cada dia que passa estamos deixando para trás a nossa juventude, e isto é para os jovens também, pois perdemos a cada dia inúmeras células que morrem. Entretanto, sabemos que existe uma energia que todo crente devia ter constantemente, que é o Espírito de Deus em nós. Marcele Auclair, escreveu: “Você fez sessenta anos e ainda não morreu? Ora, não faça disso um drama.” Mas na verdade o que ela queria dizer é que “é tão perigoso cair no sono perdido da velhice, quanto adormecer perdido na neve a trinta graus abaixo de zero.” Em seu livro VIVA JOVEM, ela recomenda que o idoso não pode parar, e isso está provado cientificamente, pois, aí sim, estaria envelhecendo. Todos podemos viver com qualidade e nós que temos uma fé sempre crescente podemos nos lembrar da promessa que nossa força se renovaria como a águia. (Isaías 40.31).
b) Força divina
A distância que provocamos dos mais jovens para conosco é uma ponte muito grande, e quando cobramos um trabalho deles, devemos parar e analisar como estamos fazendo com nossa 'mocidade'. A sua se renova como a águia? Já sabemos que quanto mais exercitamos o nosso corpo, mais teremos de força viva para agirmos. A promessa divina é: “mas os que esperam no Senhor renovam as suas forças, sobem com asas como águias, correm e não se cansam, caminham e não se fatigam.” (Isaías 40.31) Assim também é na esfera espiritual, se exercitarmos nossas habilidades seremos como jovens que correm e não se cansam e caminham e não se fatigam. Será que podemos desejar, como Jó, vermos nossas palavras, pensamentos e atitudes, escritas? Acredito que está faltando mais ação de nossa parte para termos este desejo expresso. Temos tudo para assim querermos. Temos a salvação, temos a certeza do céu. Temos Deus que nos justifica por Cristo Jesus. Então, por que ficarmos somente olhando para a juventude e dizendo que eles precisam reagir. Precisam reagir sim! Mas nós também! Somos exemplos.
 
c) Força do exemplo
Jó  Do início ao final do livro vemos um homem convicto da existência de um Criador. Ele não somente cria mas sabia que Ele o justificaria. Este é um dos grandes exemplos que a Bíblia narra. Pois o que todos nós precisamos são exemplos vivos. Vamos, como Jó, estar diante do nosso redentor e prestaremos contas a Deus do tempo que temos aqui e o que fizemos deste tempo!
Portanto, quer crianças, adolescentes, jovens e adultos, todos nós um dia veremos nossos atos e palavras escritas. Será que elas poderão ser lidas por todos? Não sentiremos nenhum constrangimento ante elas? A Família precisa estar em atitude de oração e obediência diante de Deus.
Sabemos que se tivermos nosso desejo manifesto diante de Deus, logo o veremos realizado. Isto se nossa fé chegar a ser do tamanho de um grão de mostarda, então, faremos grandes coisas no Senhor!
Se a nossa justiça estiver dentro dos padrões de Deus logo, não seremos como os escribas e fariseus e estaremos contribuindo para que o Reino de Deus se expanda!
E se pudermos ser “COMO ROSEIRAS” sem nos preocupar com nossa idade, pois no livro Viva Jovem, diz: “São como roseiras” homens e mulheres que, quando já não se espera grande coisa deles, nos deixam estupefatos diante de uma nova “FLORAÇÃO!” como exemplo de força constante advindos de Deus.
Léo Lima

quinta-feira, 25 de outubro de 2012

DESEJO DE JUSTIÇA

Continuação de ontem...
 
DESEJO EXPRESSO E REALIZADO DE VER A JUSTIÇA
Jó 19.23-25 “Quem me dera agora, que as minhas palavras se escrevessem! Quem me dera que se gravassem num livro! E que, com pena de ferro, e com chumbo, para sempre fossem esculpidas na rocha! Porque eu sei que o meu Redentor vive, e que por fim se levantará sobre a terra.”
Jó desejava que a justiça fosse feita para ele. Hoje, o desejo manifesto de Deus é que seu reino cresça. E para isto dá-nos oportunidades preciosas. Temos o privilégio de sermos salvos por Cristo, portanto, participantes do seu reino. Entretanto, Jesus mesmo disse em Mateus 5.10: “Porque vos digo que, se a vossa justiça não exceder a dos escribas e fariseus, de modo nenhum entrareis no reino dos céus.” O conceito de Justiça é um dos maiores problemas que vivemos, pois que herdamos estes mesmos conceitos e acredito que este é um motivo muito forte para que a distância de relacionamento que existe, muitas vezes, entre as diferentes faixas de idade existentes, aconteça. Algum tempo atrás vivi uma experiência interessante com uma criança que tinha somente três anos e meio, o que me lembrou sobre a justiça herdada.

a) Justiça herdada
“Estávamos em uma festinha de aniversário, e ela brincava de bicicleta, enquanto duas outras meninas brincavam próximas a ela. De repente ela se precipitou com a bicicleta sobre a menor, e, com o susto saiu jogando a bicicleta longe e chegou ante sua mãe e gritou: Me bate mãe! Me bate! A mãe sem saber o que fazer ante o gesto de sua filha deu um sorriso, e ela saiu correndo para dentro de sua casa. E sua mãe me perguntou: - E agora? Eu disse: - “Espere". Fui até o local onde ela havia se escondido e vi que estava deitada em baixo da cama. Deitei-me na mesma posição em que ela se encontrava e disse-lhe: - “Você sabe o que aconteceu? Foi um acidente. Você sabia que acidentes acontecem mesmo quando a gente brinca?” Ela calada. Eu disse mais: - “A tia já teve um acidente também.” E contei-lhe que sem querer havia batido com o carro em um cachorro. Portanto, procurei mostrar-lhe que acidentes acontecem com qualquer pessoa. Logo ela estava saindo do local em que se achava escondida e, sorrindo, voltou a brincar. O que desejo tirar daí é que para ela o conceito de justiça era que, se errou, a solução seria apanhar. E se isso acontecesse ela poderia voltar a brincar pois que tudo estaria bem. Este é um dos males que tem provocado a falta de crescimento do reino de Deus entre nós, é, sem dúvida, o mal dos nossos conceitos. O que aprendemos é nosso, é único. Nada pode mudar, nada pode ser alterado. A outra coisa que acredito afasta-nos de um relacionamento melhor, uns com os outros, especialmente dos adultos com os mais jovens, é a distância que colocamos entre nós. Já sabemos muitas coisas, portanto eles têm que nos ouvir, pois já estamos com a verdade que a vida nos ensinou. eE isso afugenta...
 b) Justiça que afugenta
Mas com o acontecimento com aquela criança, pude ver mais uma coisa. é que, se eu não tivesse conseguido chegar, de fato, até ela com minha atitude de me deitar no chão, como ela estava; de falar a ela mostrando que eu também já ‘errara’, não poderia naquele momento de pânico em que ela se achava, comunicar-me com ela. Nós nos esquecemos de chegar e penetrar no mundo dos que nos cercam, tentando conhecer e reconhecer o lado do outro. Ainda, nos esquecemos facilmente de tudo que fizemos em cada fase da nossa vida. Então, passamos a julgar cada atitude do nosso semelhante, especialmente, os mais jovens. Censuramos os seus atos, cobramos desta mesma juventude, atitudes que, na verdade, nós poderíamos estar desenvolvendo juntos. Nossas palavras podem ferir...
 c) Justiça verbal
Lembramos que a palavra, mesmo que não o queiramos, reflete os nossos pensamentos. Jesus afirmou que: “O que contamina o homem não é o que entra em seu coração, mas o que dele procede.” Se nosso coração está cheio de pensamentos maus, de ira, de crítica, logo nossas palavras serão cheias de desdém, desprezo, e mais, de insinuações. Quem eram os fariseus para que Jesus fizesse a comparação que ele fez? Eles eram pessoas cheias de si, que achavam que sabiam tudo, isto aos seus próprios olhos. Eles se consideravam donos da verdade. Verdade arcaica pois não queriam olhar o que havia de novo. O Messias! Jesus e sua graça. Jesus e seu Poder! Jesus mesmo foi censurado por eles. E lhes disse: “Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! Porque fechais o reino dos céus diante dos homens; pois, vós não entrais, nem deixais entrar os que estão entrando.” (Mateus 23.13).
Portanto se a vossa justiça não exceder a dos escribas e fariseus...” (Mateus 5.20). Como é forte esta afirmação de Jesus. Sabemos que muitas vezes a nossa justiça é muito “nossa”, sem desejarmos conhecer os motivos dos outros para qualquer atitude! Vejam só, se nossos pensamentos se tornam em palavras, como podemos desejar que nossas palavras venham a ser escritas?
O que seria escrito se seu pensamento estivesse retratado em suas palavras? Este livro poderia ser lido por qualquer pessoa sem nenhum constrangimento para você?
 Mas o complemento deste versículo “Portanto se a vossa justiça não exceder a dos escribas e fariseus...” diz que estas pessoas “de maneira nenhuma entrariam no reino dos céus”. Podemos imaginar a força desta afirmação de Jesus quando diz que estes não entrarão no reino dos céus? Jó buscava nos seus amigos um pouco de justiça, mas o que eles tinham para oferecer eram censuras, era somente adentrar na vida de Jó para descobrir o motivo que estava provocando tanto mal. É isto o que geralmente acontece entre nós hoje. Pessoas que tentam nos ajudar conseguem somente, de forma errada, interferir em nosso íntimo. Não conseguem compartilhar, sofrer com nossa dor, ou mesmo sorrir com nossa alegria! E isto Jesus abomina! O que nós precisamos é buscar no Senhor uma maneira de sermos justos desde no tratamento conosco mesmos, pois muitas vezes é daí que se inicia, por não sabermos nos julgar, ou ainda, por vermos do que somos capazes, e isto, procuramos transferir para outros. Se nossa capacidade em fazer determinada coisa é aguçada, logo achamos que outros podem fazê-lo também! Precisamos deixar que a justiça seja exercitada naturalmente através de cada um de nós, e mais, que tenhamos o mesmo ardor que Jó teve, sem medo, desejando ver nossas palavras escritas, pois que ao exercitarmos a justiça, seremos Justos! E nada mais poderá retratar pensamentos que sejam parecidos aos dos escribas e fariseus!
Léo Lima

quarta-feira, 24 de outubro de 2012

DESEJO DE FÉ

Continuação de ontem...
 “Quem me dera agora, que as minhas palavras se escrevessem! Quem me dera que se gravassem num livro! E que, com pena de ferro, e com chumbo, para sempre fossem esculpidas na rocha! Porque eu sei que o meu Redentor vive, e que por fim se levantará sobre a terra.” (Jó 19.23-25).
DESEJO EXPRESSO NO EXERCÍCIO DA FÉ
Este desejo é pouco comum entre as pessoas, entretanto, podemos ver claramente, no texto que lemos, a mais forte expressão de fé até hoje conhecida, mesmo porque se nos recordarmos de outra grande fé, como Abraão, veremos que ele já havia provado das maravilhas de Deus, quando viu a promessa divina sendo cumprida no nascimento de seu filho Isaque, portanto, quando Deus lhe pediu que sacrificasse este único filho, ele já havia provado da graça de Deus.  E desde o início podemos sentir que as palavras de Jó expressam uma fé única. Jó que perdeu tudo, e mais, sem saber a razão. E é isto o que soa mais forte neste texto, sua declaração de que sabia que seu redentor existia!
 
Mas, a maior polêmica do sofrimento dele foi a questão moral de que o homem colhe o que semeia. O problema de Jó apresenta o teste da fé de uma maneira muito severa. Os seus 'amigos' mostravam de um modo impertinente até, que ele estava simplesmente recebendo o castigo por algo feito em outros tempos. Muitas pessoas dizem quando encontram um sofredor: “Não nos compete questionar os caminhos do Onipotente!!!” E isto com ironia. Mas, Jó, questionava, inclusive com Deus, e diz que estava plenamente justificado ao assim fazer. Jó tem razão em lastimar a perda dos seus entes queridos, fica deprimido, especialmente, pela doença que o aflige. Ele era um ser humano! Mas em tudo isso ele continua tranquilo mesmo na aflição, mesmo vendo que diante de seus olhos não podia encontrar ninguém que o compreendesse, e ele segundo sua esperança convicta de que seria somente o seu libertador, (JESUS) defensor, justo juiz que mostraria sua fidelidade e sua inocência ante as acusações que sofria!
 
Sim, Jó estava dando o maior testemunho de fé já visto, pois mostra profunda convicção de que seu amigo verdadeiro estava vendo e anotando tudo, e sua expressão de desespero foi simplesmente o grito de um desejo muito forte e que veio a se tornar um exemplo para milhões que podem ver em suas palavras escritas, um testemunho vivo de fé. Jó que viveu muito tempo antes de Jesus, mostrava aí uma vivência imitável com Cristo. Jesus mesmo disse que a nossa fé era muito fraca, muito pequena, e que se ela viesse a ser mais forte, um pouco só, poderíamos fazer proezas no Senhor. Jó disse: “Porque eu sei que o meu Redentor vive!” Eu sei, não importa a idade para se ter convicção de que o nosso Redentor vive!
 
Para nós é muito mais fácil vivermos essa fé. Temos as palavras , não somente de Jó, e o que Deus lhe proporcionou, finalmente, mas temos hoje o privilégio de termos a Palavra de Deus toda expressa nas sagradas Escrituras. Podemos ver ante as declarações de alguns dos que viveram com Jesus, e eles registraram em seus testemunhos - os evangelhos - que marcaram toda a história da humanidade.
E todos eles são fiéis em seus escritos. Jesus veio cumprir a promessa de Deus, tivemos o próprio Deus, fazendo-se homem e recebendo nossas culpas e pecados, para nos resgatar! E Jesus mesmo disse após uma pergunta de seus discípulos de que “porque não podiam curar o homem? Jesus respondeu: “Por causa da vossa pouca fé; porque em verdade vos digo que, se tiverdes fé como um grão de mostarda, direis a este monte: passa daqui para acolá – e há de passar; e nada vos será impossível.” (Mateus 17.20)
Se a fé demonstrada por Jó, e exemplificada por Jesus em tão reduzida quantidade, pois sabemos que o grão de mostarda era a menor das sementes existentes na época; se esta  fé tão pequena existisse em cada crente, veríamos o reino de Deus se expandindo a cada momento, e maravilhas ocorrendo através de cada um de nós! Você consegue ver sua fé???
Léo Lima
Continua amanhã...

terça-feira, 23 de outubro de 2012

PALAVRAS...

Jó 19.23-25 “Quem me dera agora, que as minhas palavras se escrevessem! Quem me dera que se gravassem num livro! E que, com pena de ferro, e com chumbo, para sempre fossem esculpidas na rocha! Porque eu sei que o meu Redentor vive, e que por fim se levantará sobre a terra.”

O texto acima faz referência de algumas palavras proferidas pelo grande servo Jó, que a Palavra diz foi fiel, sincero, reto e temente a Deus. Este fato é muito conhecido e questionado por muitos estudiosos, mas, que se encararmos pelo prisma de um homem que foi exemplo de fé, que tudo possuía e que tudo perdeu e mesmo assim, não desfaleceu! Vemos que seu exemplo ficou!
Não podemos afirmar em que época Jó viveu, mas podemos dizer que foi um homem em que Deus tinha “confiança” visto que, o Senhor permitiu que o diabo o afligisse em tudo, sem entretanto tocar-lhe a vida! É neste ponto do seu drama que Jó queixa-se da obstinação dos amigos que, perturbando, tentavam ajudá-lo, e dentro desta queixa Jó profere as mais profundas palavras de fé.
 
O seu desejo manifesto e que tornou-se realidade e está inserido em na sua história que é um dos livros mais lindos da Bíblia. Jó diz oxalá me fosse possível que as palavras que agora digo fossem escritas - quem sabe para a posteridade - Seria maravilhoso que elas fossem gravadas em um livro, mas mis que isto o meu desejo é que fossem esculpidas em uma rocha com penas de ferro e com chumbo e que perpetuassem! Eu tenho certeza que o meu remidor está vivo, e vai se levantar sobre a terra!”
Temos motivos para desejarmos que nossas palavras sejam escritas com pena de ferro? Podemos desejar que elas sejam esculpidas para sempre na rocha como testemunho da nossa fé? E que mesmo que nossos amigos nos critiquem, como a Jó, nos julguem, procurando sempre um motivo para certas aflições que vivemos, esquecendo-se de tantas vezes que Jesus mesmo disse: “No mundo tereis aflições...”
 
O que muitas vezes as pessoas querem é que, para cada mal que sofremos, exista um motivo oculto neste sofrimento, algo que fizemos, ou que deixamos de fazer... Temos razão para desejarmos que nossas palavras sejam escritas? E como podemos expressar um desejo nosso, para ele que seja realizado?
Léo Lima
Continua amanhã...

segunda-feira, 22 de outubro de 2012

OBEDIÊNCIA

Hoje compartilho uma das minhas poesias que estão guardadas. Esta é inédita. Que o Senhor fale ao nosso coração através de palavras inspiradas pelo Senhor!!!
 
Vamos proclamar!!!
De todas as formas em todos os lugares vidas perecem.
Seres humanos se embrutecem.
O amor e a alegria fenecem.
A paz e a esperança desaparecem.
Isto acontece ao nosso redor.
Desde o nascente do sol ao seu arrebol.
E na noite escura...
Há sempre uma pessoa que procura saber de Jesus.
Tudo que a cerca é o distanciamento de muitos
Que a deixam sozinha e no escuro...
Mas, muitas vezes, ela está muito perto de você meu irmão.
Ela só deseja conhecer o amor que se fala: Jóia rara...
Ela só quer um pouco de atenção, quase nada então...
Dobre seu joelho diante do altar.
Busque em o Nome do Senhor,
Que é o Caminho, que é a Luz,
Que é o Pão da Vida, que é a videira verdadeira,
Que é o Bom Pastor,
Sair de si mesmo...
Sim. Ao sair de diante do altar do Senhor
E, em nome de Jesus
Reaja, mostra com ação que sua atitude é de coração.
Em nome de Jesus a Luz, fale que Ele morreu na cruz!
Em nome de Jesus Pão da vida, reparta sua porção de comida!
Em nome de Jesus a Videira, mostre que a paz é verdadeira!
Em nome de Jesus o Bom Pastor, dê...  Só um pouco de amor!
Em nome do Senhor Jesus, ofereça a salvação
Ao velho, moço ou criança e eles terão nova esperança.
Para que muitos os que, ouvindo, creiam no Nome do Senhor
Que é amor! É vitória! É alegria!
É paz! É vida eterna!
Só você pode cumprir esta tarefa realizar!
Ao proclamar, testemunhar, mostrar,
Vive a nova vida de esperança!
Firmado em o Nome do Senhor dos senhores!
Em o Nome do Senhor que é amor!
Poderá mudar as coisas ao seu redor!
Evitará o pior! Desfrutará de um mundo melhor!
Então ouvirá: “Vinde bendito de meu Pai, possuí por herança o reino que vos está preparado desde a fundação do mundo.”
Dai glórias ao Rei dos reis.
Bendizei ao Senhor dos senhores!
Ao dobrar seu joelho diante do altar,
E, em Nome do Senhor, sem demora, vamos proclamar!
 Léo Lima

domingo, 21 de outubro de 2012

O QUE É A FELICIDADE?

Hoje compartilho algo que escrevi no dia 26/07/1976. Dias vividos na amplidão do sonho e do otimismo, mesmo que a tristeza se fazia presente algumas vezes! Louvado seja Deus o nosso Pai!

O que é a Felicidade?

- A felicidade é ver uma criança na sua pureza e ingenuidade dizer: “Eu gosto de você!”
- É olhar o mundo e tudo o que nele existe.
- É sentir Deus!...
- É ter um bom amigo.
- É viver... com saúde.
- É poder dizer com os olhos e coração: “Eu gosto de você!”
- É não dizer adeus.
- É ter a certeza do céu.
- É não dizer não por pouca coisa.
- É ouvir um: “muito obrigada!” por quase nada...
- É poder agradecer.
- É cativar mais um amigo.
- É fechar os olhos e... cantar...

Se calmamente formos analizar a felicidade. Se fizermos uma sincera entrada em nossos sentimentos, chegaremos à conclusão de que a felicidade nos visita muitas vezes em cada dia!
Léo Lima

sábado, 20 de outubro de 2012

REFLEXO

Conclusão das tragédias...

A Igreja Hoje está sofrendo com o conformismo ante as coisas do mundo. Com o aceitar passivamente tudo que a sociedade pensa e age.  Não estamos fazendo muita diferença. Não estamos dobrando os nossos joelhos e corações em súplica ao Pai como devíamos. Não estamos abrindo o Livro Sagrado para aprendermos sobre a vontade de Deus para a vida da Igreja e de cada um. Não estamos sentindo mais “Paixão pelas almas” na proporção necessária para que estas preciosas vidas perdidas sem Cristo possam conhecer o Salvador e Senhor!

É hora de chegarmo-nos diante do Senhor e procurarmos fazer o que o apóstolo Paulo nos aconselhou: “Rogo-vos pois, irmãos, pela compaixão de Deus, que apresenteis os vossos corpos como um sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional. E não vos conformeis a este mundo, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente, para que experimenteis qual seja a boa, agradável, e perfeita vontade de Deus.”

Encontro aí a solução para que toda a tragédia que ronda a Igreja seja dissipada. É o corpo apresentado ao Senhor em sacrifício vivo, santo e agradável a Deus. É necessário que haja transformação de vidas. Precisamos meus irmãos é estar como o apóstolo Paulo recomenda em II Coríntios 3.18: “Mas todos nós, com rosto descoberto, refletindo como um espelho a glória do Senhor, somos transformados de glória em glória na mesma imagem, como pelo Espírito do Senhor.” Quando pudermos estar assim, nós cresceremos, nossa Igreja crescerá. Vidas se renderão ao Senhor. Que possamos ser transformados de glória em glória para glória do Senhor e para sermos o reflexo da glória de Deus. Amém.
Léo Lima

sexta-feira, 19 de outubro de 2012

EM SILÊNCIO...

Continuação das 'tragédias' a boca que não comunica...

Estamos vivendo em um mundo que cresce a olhos vistos. Em nossas cidades a cada dia que passa novos prédios surgem, novas casas, novos barracos e pessoas que ainda vivem nas ruas. Assusta-nos o crescimento da nossa terra. A cada momento que uma cidade cresce a nossa compromisso com Jesus aumenta ante a tragédia das vidas que perecem sem salvação.

Em Ezequiel 3.16-19 lemos: “Ao fim de sete dias, veio a palavra do Senhor a mim, dizendo: Filho do homem, eu te dei por atalaia sobre a casa de Israel; quando ouvires uma palavra da minha boca, avisá-los-ás da minha parte. Quando eu disser ao ímpio: Certamente morrerás; se não o avisares, nem falares para avisar o ímpio acerca do seu mau caminho, a fim de salvares a sua vida, aquele ímpio morrerá na sua iniquidade; mas o seu sangue, da tua mão o requererei: Contudo se tu avisares o ímpio, e ele não se converter da sua impiedade e do seu mau caminho, ele morrerá na sua iniqüidade; mas tu livraste a tua alma.” O profeta fala da parte do Senhor sobre a responsabilidade que ele tinha de comunicar a Palavra do Senhor e a todos os que estavam perecendo em pecado. Esta mesma responsabilidade passou para todos os que conheciam a Palavra do Senhor para que fossem ATALAIAS do Pai. É grande a responsabilidade que recai sobre nós. Seremos culpados se nos omitirmos em anunciar a Palavra, seja qual for a maneira que o fazemos temos a obrigação de anunciarmos, de testemunhar.

Visto que, trazemos conosco as últimas palavras de Jesus antes de voltar para o Pai está em Marcos 16.15: “E disse-lhes: Ide por todo o mundo, e pregai o evangelho a toda criatura.” Como é séria a nossa responsabilidade! Jesus não disse: “anunciai a alguns” mas, “a toda a criatura”. Temos uma responsabilidade muito grande para com os nossos semelhantes. Aqueles que ainda não conhecem a Jesus como Salvador, são nossa responsabilidade e mais especialmente aqueles que vivem mais próximos de nós e os da nossa própria família.
Léo Lima

quinta-feira, 18 de outubro de 2012

BÍBLIA GUARDADA

Continuação das tragédias...

Se no corre-corre não há tempo para se prostrar em oração, muito maior a tragédia quando a Palavra de Deus se torna um livro que somente uma vez por semana recebe o calor de mãos amigas... Esta tragédia é assustadora pois que temos impressa nela todo o plano de Deus para a humanidade.
 
Em Mateus 22.23-32 lemos: “No mesmo dia vieram alguns saduceus, que dizem não haver ressurreição, e o interrogaram, dizendo: Mestre, Moisés disse: Se morrer alguém, não tendo filhos, seu irmão casará com a mulher dele, e suscitará descendência a seu irmão. Ora, havia entre nós sete irmãos: o primeiro, tendo casado, morreu: e, não tendo descendência, deixou sua mulher a seu irmão; da mesma sorte também o segundo, o terceiro, até o sétimo. E depois de todos, morreu também a mulher.  Portanto, na ressurreição, de qual dos sete será ela esposa, pois todos a tiveram? Jesus, porém, lhes respondeu: Errais, não compreendendo as Escrituras nem o poder de Deus; pois na ressurreição nem se casam nem se dão em casamento; mas serão como os anjos no céu.  E, quanto à ressurreição dos mortos, não lestes o que foi dito por Deus: Eu sou o Deus de Abraão, o Deus de Isaque, e o Deus de Jacó? Ora, ele não é Deus de mortos, mas de vivos.” Estavam neste texto os saduceus mostrando que não acreditavam na ressurreição e perguntaram a Jesus sobre a mulher e seus casamentos. Jesus lhes respondeu: “Errais, não conhecendo as Escrituras, nem o poder de Deus.” Quanto nós erramos por não abrirmos a Bíblia, por não conhece-la melhor! Pois:

1-   Deus se revela através dela.
A Palavra de Deus é viva e eficaz e o Senhor mostra-nos Seu imensurável amor para conosco conforme João 3.16: 'Porque o nosso Deus nos amou de maneira tal que enviou Jesus, Seu Filho único, para que quando nós crermos temos garantida a vida eterna!'

2-   É por ela que conhecemos nosso estado espiritual.
A Palavra de Deus nos mostra quando não estamos agradando ao Senhor pois ela diz: 'Quanto ao mais, irmãos, tudo o que é verdadeiro, tudo o que é honesto, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se há alguma virtude, e se há algum louvor, nisso pensai.' 1 Filipenses 4:8. O nosso pensamento diz muito sobre nosso estado espiritual.

3-   Ela nos revela o que Deus tem preparado para nós.
Jesus mesmo falou: 'Na casa de meu Pai há muitas moradas; se não fosse assim, eu vo-lo teria dito. Vou preparar-vos lugar. E quando eu for, e vos preparar lugar, virei outra vez, e vos levarei para mim mesmo, para que onde eu estiver estejais vós também.' João 14:2-3

Quando eu era criança ouvia que chegaria o dia quando ninguém poderia possuir uma Bíblia, portanto somente aqueles que soubessem uma maior porção de cor da Palavra de Deus é que teriam a Bíblia. Podemos perceber que estas duas tragédias a que nos referimos estão ocorrendo na Igreja e de uma forma avassaladora impedindo o crescimento e a transformação de vidas. É por isso a conformação com o mundo “E não vos conformeis a este mundo” A aceitação de tudo que ocorre e ainda a entrada livre do mundo na Igreja. Quando deveria ser o inverso.
Léo Lima

quarta-feira, 17 de outubro de 2012

JOELHOS DOBRADOS

Nos três dias que vivemos estarei compartilhando sobre três tragédias que acontecem com alguns irmãos em Cristo. Hoje trataremos sobre a 'tragédia dos joelhos que não se dobram. Que Deus esteja falando ao nosso coração.
Esta tragédia está ocorrendo muito entre e em nós. Diante da vida afoita que vivemos em garantir a sobrevivência os crentes estão esquecendo-se de se prostrar ante a majestade divina. Muitos de nós nos esquecemos de que este é o caminho para as soluções dos problemas que se nos defrontam.
 
Em SALMOS 55.17 lemos: “De tarde e de manhã e ao meio dia orarei, e clamarei; e Ele ouvirá a minha voz.” O salmista está dizendo aí que ele realmente estaria buscando a face do Senhor em oração e num clamor profundo, em todo o tempo, em todos os períodos do dia. O profeta Jeremias ouviu do Senhor: “Clama a mim, e responder-te-ei, e anunciar-te-ei coisas grandes e ocultas, que não sabes.” (Jeremias 33.3). A promessa aí é clara. Quando o clamor é sincero e profundo a resposta vem de maneiras que nós não podemos imaginar. O Senhor promete responder-nos e anunciar-nos coisas importantes que não sabemos, nem imaginamos.
 
Temos também, um conselho do apóstolo Paulo: “com toda a oração e súplica orando em todo tempo no Espírito e, para o mesmo fim, vigiando com toda a perseverança e súplica, por todos os santos,” (Efésios 6.18). Percebemos que em todos estes textos é preciso haver um clamor, uma súplica sincera diante do Senhor. O apóstolo ainda recomenda que é preciso orar com perseverança por todos os santos. Precisamos orar uns pelos outros para que haja uma transformação pela renovação do entendimento.
 
Portanto, a tragédia dos joelhos que não se dobram, pode ser entendida por pessoas que mesmo que ajoelhadas não tem em seu coração a humildade e o clamor necessários. Muitas pessoas que não se ajoelham, por algum problema, podem estar com seus corações prostrados diante do trono divino e suas súplicas estão diante do Pai que as ouve.
 
Para Deus a atitude interior é o que conta em uma oração.
Léo Lima