COMUNIQUE

Seja Bem vindo! Nossa meta é anunciar Boas Novas! Léo Lima
Precisamos decidir em como ser valiosos, em vez de pensar o quão valiosos somos. Filosofia chinesa

Aflições vindas das Mãos Soberana São bênçãos disfarçadas! (Adam Clarke)

segunda-feira, 19 de junho de 2017

AMOR QUE REDIME

Como o Pai me amou, assim também eu vos amei; permanecei no meu amor”. (João 15.9).
Que declaração de amor Jesus faz neste texto. O amor de Deus, o Pai, para com seu Filho, imaginamos deve ser inigualável, e Jesus fala que seu amor por nós se iguala ao amor do Pai por Ele. O amor de Deus para com os homens existe desde muito antes da criação, quando o ser humano tinha um relacionamento amigável com Deus, muito antes da desobediência. Mesmo quando o homem pecou, Deus, por amor, prometeu que um dia mandaria aquele que seria o reconciliador do homem consigo.
Deus escolheu um povo que Ele denominou de Israel. Este povo teve muitos privilégios. Deus realizou muitos milagres diante deles, quando da saída deste povo do Egito. Eles viram que a ação de Deus e o seu amor estava marcado a cada passo que davam. Mas ao mesmo tempo em que viam e desfrutavam do amor de Deus, eles se rebelavam e logo Deus os punia e seguiam sempre na obstinação de buscar algo mais fácil.
Podemos ver que as benignidades do Senhor duram para sempre. O amor de Deus nos alcançou. E as palavras proferidas por Jesus: ‘Como o Pai me amou, assim também eu vos amei’, demonstram de forma total, que elas são palavras vivas que comunicam seu amor para com os seus. Jesus e o Pai são um, portanto, é um amor único o que Ele transmite. Ele também recomenda que os que já são seus permaneçam neste amor. Cristo oferece o maior amor que se pode imaginar.
Ele ainda oferece hoje este mesmo amor para todos os que O receberem e reconhecerem que Jesus pode perdoar pecados e salvar da morte eterna sejam salvos. Este inigualável amor é oferecido, sem reservas, para mim e para você. Eu já tomei posse deste amor na minha vida. E você? Permita que o amor de Deus seja seu agora mesmo!

Léo Lima

Nenhum comentário:

Postar um comentário